Mythras RPG

No artigo anterior apresentei um breve histórico do Basic Roleplaying (BRP) e as diversas obras que ganharam ambientações para o sistema de regras. O RuneQuest se transformou em uma variação das regras do BRP e teve a sua sexta edição publicada em 2012 pela The Design Mechanisms, que revisou as regras em 2016 sendo renomeado como Mythras.

Além da mudança do nome, o livro ganhou uma significativa melhora no design, aproveitando melhor os espaços, inserindo novas imagens, ampliando alguns textos e esclarecendo melhor outros pontos, tudo isso com um ganho de 152 páginas (458 p. Vs 306 p. respectivamente) – nessas horas vemos o quão importante é ter um bom diagramador nesses projetos.

Como já disse anteriormente, são muitas as ideias contidas no Mythras que podem ser facilmente utilizadas em outros RPGs, principalmente o D&D, com quem faço frequentes referências.

Golden Sky Stories

Olá pessoas!

Bem-vindos ao Santuário do Mestre, seu novo lugar no Mundos Colidem para falar sobre sistemas novos, velhos, perdidos, que ninguém liga, regras aleatórias e adaptações (de animes e games, geralmente). Eu sou o Tio Lipe, também conhecido como “Cavaleiros” por antigos leitores de blogs de RPG. Quem me conhece sabe que eu já tive alguns blogs, que TENHO um blog (confira o Papo de RPGista), e que já postei nos blogs dos outros (e olha eu aqui fazendo isso novamente). Já quem me acompanha sabe que meus trabalhos incluem principalmente, mas não exclusivamente, adaptações de Naruto… Quero dizer, de animes e games para diversos sistemas. Eu também sou louco por criar meus próprios sistemas e fazer meus jogadores sofrerem com playtests e mudanças intermináveis nas regras. E não é que, no fim, acabei criando mesmo um sistema ao meu estilo chamado Tio20 RPG! Apresentarei o danado em outra oportunidade, pois hoje, como minha postagem de abertura, vim trazer uma resenha que fiz tem um tempo sobre um jogo que me cativou absurdamente, mas, infelizmente, não pude ainda jogar. Estou falando de Golden Sky Stories.