Todos os Caminhos levam a Amber

No nosso último encontro no Mecanismo Obscuro, foi apresentada a posição “radical” de Erick Wujcik sobre o RPG com e sem dados a partir da sua rica experiência em um jogo de D&D no final dos anos de 1970, aqui. Em 1991 Wujcik publicou o Amber Diceless RPG (ADRPG), o primeiro e provavelmente mais consagrado RPG sem dados. Hoje vamos explorar alguns aspectos do ADRPG focando em como o universo de fantasia da série Amber, do escritor estadunidense Roger Zelazny, forneceu um rico cenário para o desenvolvimento das regras propostas por Wujcik, e de que maneira as premissas iniciais das Crônicas de Amber se configuraram em um modo inovador para a criação de personagens.

Avatar FAE: Atualização das Regras de Dobra

Olá, Camaradas!

Aqui estamos em mais uma sexta-feira no Nomos. E desta vez, começo nosso diálogo com uma boa notícia, na verdade uma ótima notícia. Estão prontos? O Mundos Colidem iniciou uma parceria com a Conexão Fate, uma referência nacional sobre o sistema. E como aqui no MC as sextas-feiras já são conhecidas como o dia do Fate, eu e o Grande Papai Smurf, Petras, nos tornamos os representantes do coletivo no fanzine nacional sobre o Fate/FAE. Desde já gostaríamos de agradecer ao Fábio Silva pelo convite, e reforçar o nosso comprometimento com o crescimento e a longevidade da iniciativa.

Ladinos & Adagas

Saudações, aventureiros.

Sou um garimpeiro de informações que me permitam mestrar e jogar melhor. Os romances, sejam eles diretamente ligados a cenários de RPG ou não, estão sempre cheios de cenas maravilhosas que algumas vezes tentamos emular em nossas mesas e uma delas, são as cenas velozes e furiosas de combates com adagas.

Neste artigo, mais voltado para o público iniciante, vou apresentar algumas escolhas que eu faria para ter um ladino, em Dungeons & Dragons 5E, focado no combate com adagas. Também apresento um levantamento estatístico sobre os danos causados com ataques normais, com ataque furtivo e acertos críticos para personagens de primeiro e quinto nível.

Jogando Ryuutama

Olá pessoas!
Semanas atrás postei aqui uma resenha falando sobre um dos meus RPGs favoritos dos últimos tempos: o Ryuutama. Nela eu apresentei o jogo e resumi suas principais e diferentes mecânicas. Caso você não tenha a lido ou não se lembre do que falei, sugiro parar a leitura aqui e ler a postagem anterior a fim de se inteirar sobre o assunto. Pois bem, eu então consegui convencer meu grupo a jogar uma campanha usando o Ryuutama (com ajuda dos amigos Joka e Leish, também colaboradores do Mundos Colidem), e é o que viemos fazendo nas últimas semanas. Hoje o que vos trago é uma análise das minhas primeiras impressões do sistema, a construção da minha campanha e como as suas mecânicas únicas vêm se comportando em mesa.

Como Treinar seu Sistema III – Aspirações e Objetivos

Olá,

Salve, Salve, 2d8 leitores! Peço perdão pelo atraso da postagem, é que ontem eu estava completamente destruído quando cheguei da viagem que fiz pra Sampa no final de semana. Por mais que eu tivesse uma idéia do que fazer, o desgaste não me permitiu mais do que tentar recuperar o sono perdido. No último capítulo, tivemos uma adaptação de Mouse Guard para D&D 5.0, realizando minha participação na formação sentai com a adaptação de Hélio pra Crônicas RPG e do Tio Lipe para Savage Worlds – e, dizem as lendas, a adaptação pra FAE que Joka trará na sua coluna. Neste capítulo retomarei a série “Como Treinar Seu Dragão Seu Sistema”, que tem como objetivo auxiliar na adaptação de regras, mecânicas e conceitos de um sistema para o outro.

Resenha: Winter Eternal

Bem vindo ao Inverno Eterno, onde a neve e o clima hostil não são para os fracos, um jogo de sobrevivência medieval com toques tecnológicos sutis, descrito pelos autores como “um cenário não pós-apocalíptico”, ele era uma das metas a ser batidas no financiamento do Weird Wars 2 pelo Catarse e atualmente financiável no catarse Winter Eternal.

Pegue suas vestimentas de frio e nos acompanhe nessa jornada pelo mundo de Ehlerrac.

Resenha – Medievo: aventuras na baixa idade média

Depois de um hiato de 15 dias bastante atribulado, a Espaço Mítico retorna esta semana trazendo para vocês a resenha de uma das pratas da casa, o Medievo. Criado por Raphael Lima, que também escreve na coluna Nomos do Mundos Colidem, este jogo autoral é fruto de várias reflexões sobre o nosso querido hobby como ferramenta educativa nas aulas de Ensino Religioso e História por meio de um projeto de iniciação ao RPG nas escolas em que trabalha. Assim, o principal objetivo do Medievo é tornar-se um sistema que possa ser utilizado futuramente em temas como Egito Antigo, Reinos Africanos e história local.

Tipos de aventuras

Saudações, aventureiros.

No último artigo do Enclave do Arquimago, falei sobre como tenho tentado evitar frustrações em minhas sessões deixando bem claro que tipo de aventuras vamos jogar, se abertas e fechadas. Neste artigo, vou detalhar um pouco mais sobre esses dois tipos de aventuras e como elas impactaram diretamente na minha forma de narrar e nas expectativas dos grupos com os quais eu já joguei.

Mouse Guard para Savage Worlds

Olá pessoas!
No mês passado eu postei aqui um texto falando sobre como Adaptar para RPG. De fato, as explicações que apresentei nele são complementos e funcionam em conjunto com a postagem do tio Petras sobre Adaptações e a série que meu amigo Leishmaniose vem postando sobre como adaptar regras de outros sistemas para o seu favorito. Hoje eu resolvi dar um exemplo de como adaptar pegando emprestado um cenário que citei no meu texto anterior. Estou falando do incrível Mouse Guard, que foi adaptado para o Crônicas RPG pelo nosso colega Hélio lá na Estação das Brumas. E o sistema alvo desta adaptação será o Savage Worlds, lançado aqui no país pela Retropunk.

Mouse Guard para D&D 5.0

Olá,

Saudações, 2d8 leitores! Não sei se vocês observaram, mas a Estação das Brumas é a coluna que alterna comigo nas terças – ela é postada na semana yang e a minha é postada na semana yin. E assim como a minha coluna, o foco da Estação das Brumas é mais voltado para adaptações de materiais. Nas últimas postagens, o cenário de Mouse Guard foi adaptado para Crônicas RPG: A parte 1 abordou o cenário e as regras para personagens (clica aqui pra conferir); A parte 2 abordou os lugares e perigos do mundo dos pequeninos (clica aqui pra conferir); E, por fim, a parte 3 abordou um pouco da história, lendas e bestiário dos territórios protegidos pela Guarda (clica aqui pra conferir). Pra quem não conhece, Mouse Guard teve um dos seus arcos traduzido e publicado aqui no Brasil pela editora Devir com o título de “Pequenos Guardiões” – pode ainda ser encontrada à venda na internet, basta caprichar no Google-Fu e na garimpagem em site de vendas de usados.