Youkai: Espelhos e Fumaça. Adaptação para Storytelling.

Olá,

Feliz Ano Novo Chinês, caros 2d8 leitores! Talvez muitos aqui já saibam, mas várias nações do Oriente seguem um calendário diferente do calendário Gregoriano, que é o utilizado aqui no Ocidente. Eles seguem o Calendário Chinês, um calendário lunissolar, que leva em conta tanto as fases da lua como a posição do sol – tanto que o ano novo chinês começa na noite de lua nova mais próxima do dia em que o sol passa pelo décimo quinto grau de Aquário. Pela tradição chinesa, cada ano está vinculado a um dos doze animais que atenderam ao chamado de Buda para uma reunião. Atualmente estamos no ano do Galo, que teve início na última lua nova, no dia 28 de janeiro de 2017 pelo calendário ocidental. E em homenagem a esta festividade, trago uma postagem contendo uma adaptação de Youkais, criaturas míticas da mitologia japonesa, para o sistema Storytelling, do Chronicles of Darkness.

Sweet Agatha – A verdade vem aos pedaços

Sweet Agatha é um jogo narrativo para duas pessoas que gravita ao redor do desaparecimento súbito de Agatha, a doce Agatha. Pistas levam a um enredo que deve ser desvendado em dez cenas que podem levar a reviravoltas e desfechos imprevisíveis. Aqui no Mecanismo Obscuro vamos dar uma olhada nas inovações da sua proposta de mistério colaborativo, e nas possibilidades narrativas dessa empreitada de Kevin Allen Jr.

RPG (e Fate acelerado) para Iniciantes

Olá. Este artigo faz parte de uma série sobre o que é RPG e como ele funciona. Aqui na Encruzilhada dos Mundos, vamos mostrar algumas definições bem claras e simples — e para servir de exemplo, vamos falar sobre as regras de um RPG em especial: Fate Acelerado.

Começando com o Savage Worlds

Olá galera, esse é um daqueles posts pra galerinha que ainda não conhece o Savage Worlds e morre de vontade de conhecer o basicão sobre ele. Mas se você já conhece o sistema e quer dar uma olhada no que que já foi postado no site sobre ele, pode pular pro fim do post (e se mesmo assim, você ainda gastar um minutinho lendo, muito obrigado pelo seu tempo).

Basic Roleplaying Game (BRP)

No artigo de hoje vou falar um pouco sobre o Basic Roleplaying (BRP), um sistemas de regras criado em 1978 para RuneQuest. O sistema desenvolvido apresentava regras mais fáceis e intuitivas do que de outros RPGs que existiam na época, especialmente o D&D.

No Brasil, o sistema ficou conhecido pela ambientação de horror Call of Cthulhu, cuja sexta edição foi traduzida pela equipe da Terra Incógnita em 2014. O Sistema Daemon, do RPG Trevas (1997), utiliza um sistema de resolução muito parecida com o BRP, o que me faz acreditar que o autor tenha sido fortemente influenciado pelo BRP quando escreveu o seu sistema.

Neste primeiro artigo vou falar sobre um pouco do histórico do BRP, para em seguida falar sobre alguns títulos mais próximos de D&D, assim como alguns elementos que podem ser utilizados em D&D facilmente.

Raças Sobrenaturais para D&D 5.0

Olá,

Feliz Ano Novo, meus caros 2d8 leitores! Como foram de reveillon? E como o ano novo se iniciou com vocês? Aqui no site do Mundos Colidem tivemos mudanças! Uma nova coluna surgiu, a Mecanismo Obscuro, sob a regência do fantástico Gabriel Lopes, que trará postagens tratando de RPGs indies, storygames e tudo que ele achar que está na penumbra de jogos de interpretação de papéis. E com esta mudança, o dia da coluna Lugar Nenhum passa a ser oficialmente na terça, acabando (supostamente) com aquela novela que vocês acompanharam ao longo do semestre passado. 😀 Mas não, este ano eu não estou mais organizado, o que isso quer dizer é que estou escrevendo esta postagem em plena madrugada da Terça. Mas vamos ao que interessa.

S/Lay w/Me: fantasia pulp e narrativa compartilhada (para dois)

Mecanismo Obscuro é a mais nova coluna do Mundos Colidem. Para mim é uma maneira não apenas de reencontrar velhos amigos, mas também de escrever e retomar ideias e experiências vividas no mundo dos jogos de ficção. Nesse espaço me proponho a tratar não apenas de jogos com mecânicas inusitadas e elementos pouco convencionais, mas também de refletir sobre conceitos, ideias e regras da casa.

Nessa primeira transmissão do Mecanismo Obscuro vou apresentar um dos meus jogos prediletos para duas pessoas.  O S/Lay w/Me alinha elementos modernos dos jogos de narrativa compartilhada, combinado a um roteiro e clima pulp da velha guarda. É também um jogo fantasmagórico, rápido e mortal. Que girem as engrenagens…

Star Trek Adventures RPG: mais uma nova geração

Há alguns meses a editora inglesa Modiphius anunciou que tinha adquirido os direitos para um novo RPG da franquia Star Trek — junto com o anúncio, veio o chamado para o playtest das regras, usando o 2d20, o mesmo sistema de regras de outros RPGs da editora, como Conan, Infinity, John Carter of Mars e (publicado aqui no Brasil) Mutant Year Zero. Segundo a editora, ele deve ser lançado ainda no primeiro trimestre de 2017.

Como velho e fiel fã de Star Trek, é claro que me inscrevi para participar e por algum motivo, acabei entre meio mundo de fãs ávidos de todo o mundo que receberam o material para realizar a primeira etapa de testes das regras, ainda no final de 2016.

Nova Amsterdã 1646: O Estranho Ocaso do Lago da Vila do Bonfim

Saudações, Camaradas!

Como alguns de vocês já sabem, estou trabalhando em conjunto com o Joka do Espaço Mítico no projeto Nova Amsterdã, o mesmo que já falamos há alguns meses atrás. Então, aproveitando a época natalina, pensamos em dar mais uma amostra do Nova Amsterdã, disponibilizando a aventura “O Estranho Ocaso do Lago da Vila do Bonfim“.

Para os que deram uma visualizada no primeiro post, notaram que já tivemos algumas mudanças em relação à primeira proposta, especialmente no que se refere às Abordagens, que foram resumidas em três: Físico, Interpessoal e Intelecto. E o Mythos passando a ser uma façanha, composta em uma árvore. A Sanidade tornou-se um teste resistido, onde o jogador elenca seus aspectos, abordagens e façanhas e faz a sua rolagem.

Espero que curtam essa aventura com o espírito de Lovecraft nas terras nordestinas brasileiras no século XVII, durante a dominação holandesa.

Avatar – Os Dobradores. Regra Opcional de Dobra pra Storytelling.

Olá,

 

Acho que hoje é um dia a ser lembrado na história desta seção, já que estou, milagrosamente, postando-a novamente em uma segunda após tantas tentativas fracassadas. Como anunciado no capítulo anterior, “Avatar – Os Dobradores”, eu falei sobre a elaboração de um modelo com um detalhamento maior em relação às técnicas e desenvolvimento das mesmas – para jogos mais no estilo Aang, em que os personagens realizam seu desenvolvimento de dobra enquanto se aventuram pelo mundo. Pois é, eu tenho um monstrinho perfeccionista aqui por dentro que não ficou contente só em criar um hack, tinha que ter regras alternativas para o hack. Antes de apresentá-las, devo alertar que esta não é uma postagem amigável com quem não entende do sistema Storytelling e da animação Avatar, pois se você desconhecer a ambos, vai se perder. A ideia ao escrever pela primeira vez sobre o hack e as regras alternativas era demonstrar o desenvolvimento das ideias envolvendo a adaptação – como as regras surgiram ao invés de só apresentá-las, o que é mais interessante para quem gosta de Design de RPG.