A Ferro e Fogo: Fate Quest Revisado (Primeira Parte: Mecânicas)

Olá, 2d8 leitores! Eu sou o Leishmaniose e no capítulo desta semana do Lugar Nenhum, trago um capítulo da série A Ferro e Fogo, desta vez revisando e ampliando o Fate Quest, um hack para jogos de fantasia medieval usando a engine do Fate! Nesta primeira parte: Mecânicas!

Parte 1 – Revisão do Fate Quest: Mecânicas.

Parte 2 – Revisão do Fate Quest: Personagem. (21/09)

Parte 3 – Revisão do Fate Quest: Bestiário. (05/10)

Parte 4 – Revisão do Fate Quest: . (19/10)

The Last of Us para Fate Básico! [parte 2]

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

Saudações, 4dF+4 leitores que acompanham essa coluna inquieta, carinhosamente conhecida por poucos como a Caixa do Lima. Hoje eu retorno com a segunda parte da curta adaptação de The Last of Us para Fate Básico e Acelerado. E se você, como eu, gosta do Fate e ficou empolgado com o segundo jogo da franquia, recomendo visitar a Parte 1 desta adaptação, onde apresentamos algumas mecânicas para emular particularidades do cenário de The Last of Us 2.

The Last of Us para Fate Básico! [parte 1]

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima. Saudações, 4dF+4 leitores que acompanham essa coluna inquieta, carinhosamente conhecida por poucos como a Caixa do Lima. Inquieta, porque sempre tento fazer um planejamento de postagens com temas organizados e encadeados, mas todas as escritas são guiadas pela minha empolgação em determinados temas e assuntos. E mais uma vez não segui o cronograma, mas por uma boa causa — para voltarmos às adaptações para Fate Básico/Acelerado com o jogo do ano, pelo menos para mim. Estamos falando de The Last of Us 2 (Abby Rainha!).

Usando aspectos em Dungeons & Dragons 5e

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

Saudações 2d20 leitores desta coluna conhecida na comunidade como a Caixa do Lima. Então, como vocês estão nessa quarentena? Embora muitos digam que não há pandemia, e que o isolamento é desnecessário, sabemos que as coisas não são bem assim. A pandemia é séria, e os dados são alarmantes, e quando estou tentado organizar essas palavras vejo notícias que o Brasil pode se tornar o novo epicentro global do Covid-19.  

E se você está no isolamento, algumas medidas são necessárias para manter a sanidade, isso não é um manual, apenas algumas sugestões: organize uma rotina de trabalho, leituras, joguem RPG on line, tentem fazer minicursos e quando não estiverem se sentindo bem, chame um/a amigo/a para conversar. Para os que não podem estar em isolamento, devido a questões de força maior, usem máscaras, lavem sempre as mãos e evitem contato o máximo que puderem. Juntos somos mais forte. 

#Rentpunk: a precarização como a nova masmorra

Olá, eu sou Gabriel e estou de volta ao Mecanismo Obscuro. Hoje vou comentar um pouco sobre rentpunk, um tema ou uma tendência que tem atravessado diversos jogos que chamaram a minha atenção recentemente.

A precariedade da vida nas cidades e temas relacionados estão fornecendo material para pensar o RPG em diversos níveis, desde fantasias urbanas mobilizadas pelo débito até jogos estruturados em crônicas e narrativas cotidianas. Esses jogos parecem convergir para o rentpunk, um conjunto temático que explora as crescentes incertezas profissionais e econômicas do nosso tempo. De que forma isso está sendo desenvolvido em alguns RPGs?

Guia sobre Financiamento Coletivo de RPG

Yop! Eu sou Jards Medeiros, e esta é minha estréia na coluna Taverna no Fim do Multiverso. Minha ideia através dessa postagem é fazer um compilado sobre os financiamentos de livros de RPG no Catarse e Vakinha, de quantos são e como estão indo, já que esse modelo se tornou um meio de muitas editoras ou pessoas de trazerem seus projetos a tona. Conheci esse modelo em 2017, mas só comecei apoiar do ano passado para cá e nesse tempo, vi em alguns grupos no Facebook, pessoas comentando sobre como andava esse ou aquele projeto, então pensei em criar uma tabela para manter o controle sobre os meus, mas se já ia fazer essa pesquisa, por que não ter um pouco mais de trabalho e fazer uma tabela mais completa para compartilhar com os leitores do Mundos Colidem.

Moana: Um Mar de Aventuras para Fate Acelerado – Parte IV

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

Essa semana na Caixa do Lima, após um pequeno hiato devido a atividades acadêmicas do curso de História que necessitaram de toda a minha atenção, suor e sangue, retorno com as adaptações para Fate Acelerado, e dessa vez com a continuação de uma antiga e querida, que escrevi em meados de 2017, e que teve uma grande influência dos meus filhos na sua produção. Quem já anda por aqui há algum tempo, sabe que o FAE é o meu sistema queridinho, que apesar da preferência faz tempo que não dá as caras por aqui. Lima, Fate Acelerado? Sim, se é a primeira vez que você vê algo sobre Fate aqui no Mundos Colidem, sugiro dar uma olhada no nosso Índice Fate Mundos Colidem, o nosso catálogo desatualizado das postagens que envolvem o maravilhindo sistema da Evil Hat, lançado no Brasil pela Solar Entretenimento.

Boku no Hero – Ficha de 5 vilões

Olá, galerinha!

Eu sou Helio Alcantara, mais conhecido como Helinho do Nipom! Sejam todos bem vindos ao nosso cantinho além do tempo e do espaço, na Estação das Brumas. Após a postagem de Boku no Hero Academia para Fate Acelerado, alguns amigos perguntaram como eu faria as fichas dos personagens do anime. Eu trouxe as fichas da turma 1-A, para vocês usarem em suas campanhas. Contudo, o tempo ficou curto e acabou que não conseguimos dar continuidade aos demais personagens. No entanto, agora com um pouco de tempo livre, trago para vocês cinco vilões para usarem em suas campanhas. Então, vamos seguir em frente.

Nova Amsterdã: Os Mythos Invadem o Nordeste Holandês

O escritor H.P. Lovecraft povoou o imaginário de muitos leitores, principalmente o de muitos rpgistas, com seus contos de horror cósmico. Nos jogos, essa influência se deu por meio do famoso RPG “O Chamado de Cthulhu” e dele derivaram os mais diversos materiais de cenários de campanhas e suplementos. Até mesmo o mais famoso cenário de fantasia medieval brasileiro, Tormenta, carrega bastante de sua literatura com seus monstros rubros alienígenas capazes de enlouquecer suas vítimas.
Mas imaginem juntar os mythos da literatura de Lovecraft com a história do Brasil. Não sabe como isso ficaria? Então você precisa conferir o Nova Amsterdã RPG, cenário autoral de Raphael Lima e Gilberto “Joka” Olimpio, onde o folclore se mistura com os Mythos de Lovecraft, numa amálgama digna dos mais terríveis Shoggoths.

Nova Amsterdã: o minijogo

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima

Nesta quarta aparição do ano do Javali da Caixa do Lima, vamos falar mais sobre Nova Amsterdã (NA), e desta vez, trazendo um spoiler que tem ecoado nas redes sociais na última semana e que foi totalmente confirmado em uma entrevista para o Nerd Notícias.

Então, leitores desta mal assombrada coluna, chequem suas armas, decorem seus melhores encantos e se preparem para enfrentar abissais, shoggoths e crias negras de shub-niggurath em Nova Amsterdã, mas agora usando o nosso sistema mínimo, carinhosamente apelidado (por ainda não ter um nome) de Lima System.