Moana: Um Mar de Aventuras para Fate Acelerado – Parte IV

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

Essa semana na Caixa do Lima, após um pequeno hiato devido a atividades acadêmicas do curso de História que necessitaram de toda a minha atenção, suor e sangue, retorno com as adaptações para Fate Acelerado, e dessa vez com a continuação de uma antiga e querida, que escrevi em meados de 2017, e que teve uma grande influência dos meus filhos na sua produção. Quem já anda por aqui há algum tempo, sabe que o FAE é o meu sistema queridinho, que apesar da preferência faz tempo que não dá as caras por aqui. Lima, Fate Acelerado? Sim, se é a primeira vez que você vê algo sobre Fate aqui no Mundos Colidem, sugiro dar uma olhada no nosso Índice Fate Mundos Colidem, o nosso catálogo desatualizado das postagens que envolvem o maravilhindo sistema da Evil Hat, lançado no Brasil pela Solar Entretenimento.

Jornada ao Quilombo: um Jogo sobre Escravidão, Sonhos e Liberdade #Parte 2

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

No episódio desta semana da Caixa do Lima, vamos dar sequência ao artigo do último encontro, que falava sobre o Jornada ao Quilombo: Um Jogo Sobre Escravidão, Sonhos e Liberdade, construído durante minhas aulas sobre cultura e história dos povos afro brasileiros nas turmas do 6º ano do ensino fundamental. Com base no retorno dos leitores, vamos apresentar a aventura pronta do jogo, para os que desejam testar a sua funcionalidade, lembrando que este jogo tem o intento de rodar rapidamente e que a aventura carrega tabelas com situações aleatórias.

Construindo Personagens e Cenários em Crianças Enxeridas

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

Retornamos a esta caixa de ideias em sua primeira aparição deste ano, da forma como terminamos o ano passado: falando sobre jogos autorais do Mundos Colidem. E já que o papo é sobre as nossas produções, vamos logo trazendo notícias sobre um dos jogos mais esperados deste coletivo, sim, senhoritas, senhoras e senhores, estamos falando do Nova Amsterdã (NA), um cenário que traz o mythos de Lovecraft para o Nordeste brasileiro durante a dominação holandesa, usando o sistema do Fate Acelerado.

E se você ainda não sabe o que é o Nova Amsterdã e ficou curioso com a sua proposta, este é o momento para aprender mais sobre ele.

Vamos às atualizações do NA: o texto está concluído e revisado, assim como as ilustrações feitas pelas mãos do talentosíssimo Miguel Rude e de algumas ilustrações adicionais de Leander Moura (como o mapa de Nova Amsterdã) e do Daniel Júnior (O Observador). O livro encontra-se em processo final de diagramação, sob a batuta do renomado Dan Ramos, correndo o risco de ficar pronto antes deste texto chegar ao conhecimento de vocês (calma, nós vamos dar uma segurada para ele só vir depois). Assim que o arquivo digital estiver concluído e passar pela avaliação final da equipe, ele será disponibilizado nas lojas virtuais do MC.

Mas enquanto isso não acontece, vamos falando de outros jogos autorais do coletivo — e nessa postagem, vamos conversar sobre Crianças Enxeridas.

Chronicles of Darkness Day – Pugmire

Salve, salve aventureiros! Aqui é o Joka da Espaço Mítico e nesta semana apresento a vocês a aventura one shot utilizada no “Capítulo Natal” para o evento nacional “Chronicles of Darkness Day” organizado pelo Cronistas das Treva e com apoio local do Mundos Colidem! Servindo não apenas para apresentar o jogo para novatos, como pode ser um excelente ponta pé inicial para mestres (ou Guias) que queiram começar uma campanha de Pugmire.

Viajar é preciso? Regras simples para viagens

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

No episódio desta semana da Caixa do Lima, este espaço quinzenal de diálogos sobre as mais variadas questões relativas à prática do RPG (jogos autorais, sugestões de regras, resenhas, uso do RPG na educação e afins), vamos falar sobre as viagens nos jogos. Estamos falando das viagens que os grupos fazem de uma cidade para outra, ou até enfrentando grandes distâncias e cruzando continentes em busca de aventuras. A palavra viagem, segundo o Dicionário Aurélio (7ª edição, pág. 815) significa “ato de ir de um a outro lugar mais ou menos afastado. Na grande maioria dos jogos de RPG, os grupos de jogadores fazem longas e variadas viagens, para resolver as demandas da estória na qual eles estão envolvidos. E é justamente nas viagens, que vários problemas podem acontecer.

Sobre Morte e Heróis

Olá leitores e leitoras!

Não gosto de apresentações muito longas, então tentarei manter isso breve. Meu nome é Joris e esta é minha postagem de estréia na Taverna no Fim do Multiverso. Feitas as apresentações, vamos começar a falar sobre o assunto desta coluna. Você já parou pra pensar em o que significa ser um herói?

Manual Naruto 3D&T Alpha Revisado para download

Olá pessoas!
Aqui é o Tio Lipe e bem-vindos ao Santuário do Mestre. Ano passado disponibilizei aqui no site uma aventura e alguns personagens prontos para se jogar com minha adaptação de Naruto para 3D&T Alpha. Com o feedeback positivo, e muito influenciado pelo meu amigo Leishmaniose, resolvi que estava em tempo de dar uma atualizada no material. Inicialmente pensei em trabalhar nesta revisão de forma descompromissada, mas acabei fazendo o que geralmente faço quando adapto: cai de cabeça. Foram oito postagens, mas com material suficiente para o dobro disso! E ao mesmo tempo em que escrevia este “monstro”, também estava trabalhando no meu sistema, o Gaia RPG (aguardem novidades). Depois de tanto trabalho, o que temos? Um PDF maravilho, é claro!

Lançamento do Gaia RPG: Playtest Oficial

Olá pessoas!
Aqui é o Tio Lipe e bem-vindos novamente ao Santuário do Mestre. Em setembro do ano passado, publiquei aqui no Mundos Colidem a apresentação do meu novo sistema, o Gaia RPG, sendo voltado para jogos de fantasia medieval e tendo como premissa ser simples, completo e acessível. No final daquela postagem expliquei que o texto base do sistema estava sendo revisado e que seriam necessários alguns jogos-testes fechados antes do lançamento. E hoje venho apresentar aos caros leitores o produto final deste maravilhoso sistema: o seu playtest oficial!

Não se desespere: faça um mapa

No artigo anterior falei sobre como criar aventuras com pouco trabalho… do mestre e neste artigo vou falar sobre como um simples mapa rendeu uma grande aventura.

Criando aventuras com pouco trabalho… do mestre

Acredito que fiquei um pouco preguiçoso quando o quesito é preparar aventuras de RPG, mas isso não me incomoda nem um pouco e nem me priva da diversão de uma boa aventura, onde quem faz boa parte do trabalho são os jogadores – um trabalho normalmente coroado com grandes interações.

NAS MINHAS EXPERIÊNCIAS (vou deixar isso bem enfatizado), também tenho notado que ao deixar os jogadores participarem da criação da aventura e de seus elementos, o nível de engajamento deles é maior durante as sessões, pois eles deixam de ser agentes passivos da construção do enredo inicial, para agentes ativos. Eles passam a jogar o que desejam, no máximo, com algumas modificações.