Evite frustrações: tipos de aventuras

Saudações, aventureiros.

Recorrentemente leio na internet relatos de como alguns mestres e jogadores se frustram quando jogam determinados tipos de aventuras, sendo que os mestres costumam ficar frustrados, principalmente, quando os jogadores não seguem o que ele havia planejado para uma aventura, destruindo o potencial de uma campanha ou deixando todo o seu material preparado inutilizado, apenas porque não entraram em uma taverna.

Quer saber como eu deixei de me frustrar, sem ter que parar de jogar? Continue lendo.

Morts: Os Agentes Funerários

Hoje é dia de mais uma resenha, com um cenário da Evil Hat — editora do Fate — chamado Morts. Eu confesso que quase deixei passar, mas me rendi aos comentários de quem jogou no Drivethrough RPG e acabei me rendendo também ao seu charme nonsense de horror gore, que lembra um pouco Zombieland.

Morts é uma espécie de RPG de apocalipse zumbi. Mas não um apocalipse zumbi como os que você imagina; brutal, cruel e desumanizador. Nada disso.

Morts é um apocalipse zumbi legal.

O Sistema Importa

Saudações.

Recentemente fui citado em uma postagem no Facebook® em uma postagem que falava sobre a famigerada “regra de ouro“. A citação, feita pelo Marcelo Telles da Rede RPG, me lembrou dos tempos áureos do ForjaRPG, que escrevi durante um bom tempo com o grande Pedro Leone, e que na época focava muito em teoria do RPG e D&D 4E.

Como a chamada foi provocativa (no bom sentido), resolvi reviver alguns desses artigos que marcaram época e que podem trazer à luz boas discussões e ajudar a entender uma série de conceitos que podem não ser importantes para aqueles jogadores que não são game designers e nem pretendem ser, mas que podem ajudar bastante no entendimento da criação de novos sistemas, de aventuras, contribuindo, quem sabe, para trazer jogadores novatos para a área de desenvolvimento de jogos.

Resenha: Ryuutama

Olá pessoas!
Em minha primeira postagem aqui no Mundos Colidem, eu falei sobre o único e cativante Golden Sky Stories. Hoje trarei aos senhores o que eu pude absorver da leitura de outro RPG japonês e que foi lançado através do Kickstart pelo Kotodama, o mesmo pessoal que trouxe o já mais conhecido Tenra Bansho Zero (este infelizmente ainda não pude ler). Estou falando de Ryuutama, um RPG de fantasia natural único e que merece a atenção e leitura de todos.

Como Treinar seu Sistema II: Entre Testes e Resultados

Olá. Saudações, 2d8 leitores! No capítulo anterior do Lugar Nenhum eu trouxe o primeiro artigo da série Como Treinar Seu Dragão Sistema. Publicada originalmente no site Toca do Hutt, esta série tinha como objetivo auxiliar na adaptação de regras e conceitos de um sistema para o outro – principalmente sistemas indies que possuem mecânicas mais focadas e que podem ser bem adaptadas pra sistemas mais mainstream. No capítulo de hoje falaremos sobre teste e rolagem de dados.

Hikikomori – Tradução

No nosso último encontro, exploramos um pouco do jogo Hikikomori, de Ewen Cluney. Nesse segundo post, ao invés de escrever como foi o meu jogo solo, ou minha “aventura de uma semana” com um personagem hikikomori, decidi arriscar uma tradução do jogo, gentilmente incentivada pelo autor. 

Sessão UM

A Sessão ZERO é onde definimos o estilo de jogo que o grupo quer jogar, as regras que vamos seguir (o contrato social), expomos nossas expectativas em relação à história a ser contada e criamos os personagens.

A Sessão UM precisa ser, de certa forma, mágica. Sendo ela o primeiro contato real com o jogo, ela precisa chegar ao fim tendo despertado nos jogadores a vontade de voltar a jogar, de desenvolver a história e seus personagens.

E como é possível criar essa mágica para a primeira sessão? Vou compartilhar logo abaixo algumas técnicas que venho utilizando e que tem gerados bons frutos.

Medievo: Jogo de Teste 2.0

Olá Camaradas!

O ano de 2017 está se mostrando bastante promissor aqui no Mundos Colidem; tivemos a chegada de novos amigos, como o Gabriel Anaya em sua coluna Mecanismo Obscuro (esse titulo só me lembra o God-Machine Chronicles), e o Tio de Leish com o Santuário do Mestre. Também é o ano do retorno de velhos amigos — e neste caso, estou falando do Hélio Alcântara e a sua Estação das Brumas. As novas colunas trazem materiais que me chamaram bastante a atenção, e acredito que vocês também gostariam de dar uma olhada; recomendo a leitura do Sweet Agatha, Hikikomori, Golden Sky Stories e da adaptação do Mouse Guard para Crônicas RPG. Continuem acompanhando as produções dos camaradas, pois tem muito material de qualidade saindo do forno.

Resenha de Weird Wars 1 para Savage Worlds

As coisas que não são desta terra rastejam através da lama sufocada por cadáveres de Flandres. Formas além da imaginação dançam nas nuvens obscuras de cloro que derivam através do campo de batalha de Ypres. As coisas escamosas se elevam das águas escuras dos pântanos de Pripet. Restos mortais de criminosos há muito executados por romanos rastejam seu caminho em direção a um sol que não vislumbraram em mil anos.

E assim começa o financiamento no Kickstart de Weird Wars 1, feito em 2016, sobre a Primeira Guerra Mundial, dando continuidade à saga da Legião do Crepúsculo.

Guia para narradores iniciantes II

E chegamos a mais uma quarta-feira na Espaço Mítico, retornando as atividades com a segunda parte do Guia para narradores iniciantes. Este guia faz parte de uma série de postagens na Mundos Colidem que incluem RPG para iniciantes; Começando em Savage Worlds; Preparando a Sessão Zero e o A aventura vai começar, tendo como objetivo introduzir iniciantes nos mais diversos sistemas, bem como ajudá-los a descobrir mais do nosso emocionante hobby, os Role Play Games