O papel social do RPG

Olá Aventureiros e Aventureiras! Eu sou o DM Quiral, e esta é a coluna da “Festa dos Mestres” do “Mundos Colidem”. Neste capítulo eu vim convidá-los a se sentarem em volta dessa lareira para um caldo de owlbear com cerveja flamejante, uma especialidade anã, feita com mel dos besouros de fogo, para viajarmos em uma conversa muito diferente…

O SISTEMA IMPORTA?!

Na prática, eu não vou entrar nos detalhes deste ponto, pois isso já foi muito bem discutido, inclusive com um artigo excelente do grande Franciolli Araujo, aqui no Mundos Colidem.

Mas meu ponto é ter como foco uma afirmação usada no artigo:

“Não importa o sistema que seja usado. Um jogo é tão bom quanto as pessoas que o jogam, e qualquer sistema pode funcionar com os jogadores e mestres certos.”

Nesta discussão, quero me atentar mais especificamente nessa passagem:

“Não importa o sistema que seja usado. Um jogo é tão bom quanto as pessoas que o jogam.”

Vocês já pensaram o quão legal é jogar RPG? Outro dia, sentado à beira de um rio indagando em um bate papo com um grande amigo de aventuras, Willow Wallace, eu fiquei viajando nessa proposta de jogo… me lembrei de uma frase que um sábio me disse uma vez: “Eu não consigo imaginar, em um futuro breve ou distante, nenhum jogo que venha a se assemelhar ao nível de riqueza que temos com o RPG”… Unir amigos por algumas horas, semanalmente, para construir uma história, que vai nascer das escolhas, dos acertos… e dos erros. Todas essas consequências vão preencher algumas páginas de uma história que seria impossível em minha mente ser construída de outra forma! E ela só surge dessa forma porque aquelas pessoas estão ali, exatamente aquelas… uma peça diferente, mudaria TUDO. 

Nesse ponto, eu me deparei com uma reflexão: A gente conhece mesmo a pessoa que está sentada ali do nosso lado? Cara… o que eu sei dos anões? Eles comem pedra? As anãs têm barba? Todos nascem do barro? E melhor ainda… o que eu sei DESTE ANÃO que está do meu lado? Quais são as angústias, sonhos?

Às vezes nos sentamos lado a lado, por anos, por diversas campanhas… do seu lado há alguém interpretando um anão, uma elfa, um halfling… e às vezes eu sei mais sobre essas personagens do que sobre a pessoa que as representou… O que esse olhar distante desse anão representa? A elfa está ouvindo mesmo as reclamações do halfing? O que o silêncio quer dizer?

Por essas reflexões, resolvi trazer esse texto para falarmos um pouco disso: O papel social do RPG!

E eu viajei sobre muita coisa, não pense que é legislação em causa própria… mas você sobrecarrega a DM? Cara, a DM geralmente compra os materiais, busca o lugar pra jogar, prepara a campanha, confirma com todos a presença, horário… tudo pra que todos estejam ali reunidos naquele espaço-tempo do multiverso juntos!!! E VOCÊ? Não precisa assumir tudo, mas um jogo coletivo e social, pede colaboração! Faça uma surpresa, leva o rango um dia, manda a mensagem no grupo confirmando quem vai, ajude a ajeitar a mesa de jogo, se você está imerso na proposta de estar reunido com amigos e amigas… Demonstre!

Outro ponto relevante… todos vocês se conhecem de verdade? Quem é essa pessoa ao seu lado? Em muitos casos, a proposta da reunião de amigos e amigas se cumpre? De repente, um dia de jogo pode ser substituído por uma saída para tomar uma cerveja, sei lá… viajar em conversas. Reforçar o senso de convivência! Ao refletir sobre isso, me deparei com um outro ponto: dentro do jogo você também pode ajudar !!! Em muitos casos com uma coisa chamada: Spotlight.

Você já fez uma reflexão se você toma espaço demais na mesa? Às vezes sempre protagoniza as cenas… porque é extrovertido, porque é mais esperto, porque nunca pensou sobre isso… talvez seja hora de repensar! É muito saudável respeitar o espaço de jogo de todos… e talvez, até criar esse espaço… experimente a sensação de ajudar a criar uma oportunidade para outra pessoa… O RPG, em sua essência, vem do trabalho coletivo ! Tem momentos que é saudável deixar e respeitar o espaço dos outros, e até mesmo abrir oportunidade para ver o amigo em foco.

É muito provável que muitas dessas pessoas que estão sentadas na mesa com você hoje, tenham um ciclo de convivência longo, por anos, por diversas aventuras diferentes, quem sabe por diversos sistemas diferentes…

Por isso vale o questionamento:

“O que você faz para contribuir com um espaço de jogo agradável e seguro?”

Muitos dos amigos e amigas, construídos durante as aventuras nas sessões de jogo, podem se transformar em seus grandes amigos e amigas por toda a vida.

Eu resolvi trazer esse tipo de assunto hoje, por acreditar que é importante começarmos a compreender que RPG é muito mais que um jogo: é uma ação social.

Estamos no mês da campanha Setembro Amarelo, uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio, que foi criado em 2015 pelo CVV (Centro de Valorização da Vida)CFM (Conselho Federal de Medicina) ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), com a proposta de associar à cor ao mês que marca o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio (10 de setembro). Vou deixar um link aqui, direto para o site com conteúdo sobre isso: https://www.setembroamarelo.org.br/

Na minha singela tentativa de tentar contribuir com esse tema, fiz um vídeo no canal sobre isso:

Embora eu não tenho um grande XP no assunto, acho extremamente importante falarmos mais, pensarmos além da mesa, nas pessoas que estão ali, e o que nós podemos fazer para melhorar o ambiente para todos. É fundamental que esse tipo de assunto seja mais discutido.

Por fim, vou deixar aqui um pensamento que acho sensacional:

“A morte é tão o fim… enquanto a vida… ah, a vida é cheia de possibilidades” (Tyrion Lannister)

Até a próxima, e lembre-se: TUDO É XP.

4 Comentários

  1. Sensacional
    Esse Xp é muito interessante, importante e necessário, RPG é uma ferramenta e uma arma poderosa pra ajuda…. Fico muito grato pelo artigo mestre Quiral

  2. Muito obrigado grande Alan ! (DM Quiral aqui)
    RPG é muito mais que um jogo 🙂

  3. Belíssima postagem, parabéns.

  4. Jokasays:

    Belíssimo texto, e importante em tempos de tanta falta de empatia pelo próximo e onde 12 milhões de brasileiros sofrem com depressão ao ponto de já se falar em epidemia dessa tão triste doença.

Deixe uma resposta