Natal Colônia – Minicenário do Minijogo Colonização

Olá, 2d8 leitores! Eu sou o Leishmaniose e, no capítulo de hoje da coluna Lugar Nenhum, eu trago Natal Colônia, um minicenário adaptando a cidade de Natal para o minijogo Colonização!

A Vitória dos Minúsculos

Um dos elementos que me atrai, tanto no RPG quanto na Literatura, é a construção de cenários. A possibilidade é infinita, desde mundos completamente fictícios ao nosso mundo com elementos adicionais.

Guerra dos Mundos é uma obra que utiliza o nosso mundo como palco de uma fictícia invasão, tentando simular o que ocorreria caso houvesse uma real invasão alienígena: o comportamento das pessoas, dos governantes, entre outros elementos…

Eu não lembro exatamente quando, nem onde, eu esbarrei com A Vitória dos Minúsculos, um conto do Roberto Causo que utiliza o Machado de Assis como cronista da Guerra dos Mundos no Brasil, mais precisamente, nas ruas do Rio de Janeiro.

O RPG Invasão, que surgiu a partir do romance Espada da Galáxia, tinha como cenário um mundo similar ao nosso, porém com elementos da presença alienígena, principalmente os traktorianos e metalianos — espécies criadas para o romance.

Um grupo de fãs da obra chegou a se reunir em lista de discussões e fóruns para criar um projeto que adaptasse as cidades brasileiras para Invasão — já que muito do apresentado no RPG tinha uma ênfase maior em países estrangeiros. O projeto Dossiê Brasil acabou tendo um único fruto, o Dossiê São Paulo.

Particularmente, eu sou tão fã de ficção científica quanto sou de fantasia. E fiquei muito satisfeito com o Colonização, ao ponto de, em uma noite de inspiração, após uma discussão na internet, adaptar a cidade de Natal para o minijogo. E assim surgiu o Natal Colônia.

Natal Colônia

O Município de Natal

Conhecida como “Cidade do Sol”, “Londres Nordestina” ou “Terra do Camarão”, a cidade de Natal é a capital do estado do Rio Grande do Norte na região Nordeste do Brasil.

A cidade tem clima tropical úmido e está localizada em uma região de dunas e praias, servindo de porta de entrada do turismo do estado: recebe anualmente mais de dois milhões de turistas por ano.

Natal está dividida em quatro regiões administrativas e uma área de preservação ambiental:

  • Zona Leste: A mais antiga da cidade, porém a menos populosa. Abrange os bairros Alecrim, Areia Preta, Barro Vermelho, Cidade Alta, Lagoa Seca, Mãe Luíza, Petrópolis, Mãe Luíza, Petrópolis, Praia do Meio, Ribeira, Rocas, Santos Reis e Tirol.
  • Zona Norte: A maior região da cidade, tanto em área quanto em população, superando até mesmo a segunda maior cidade do estado. Abrange os bairros Igapó, Lagoa Azul, Nossa Senhora da Apresentação, Pajuçara, Potengi, Redinha e Salinas.
  • Zona Oeste: A segunda zona mais populosa da cidade e também a segunda maior em área territorial. Abrange os bairros Bom Pastor, Cidade da Esperança, Cidade Nova, Dix-Sept Rosado, Felipe Camarão, Guarapes, Nordeste, Nossa Senhora de Nazaré, Planalto e Quintas.
  • Zona Sul: A segunda mais extensa zona da cidade e a terceira mais populosa. Abrange os bairros Candelária, Capim Macio, Lagoa Nova, Neópolis, Nova Descoberta, Pitimbu e Ponta Negra.
  • Parque das Dunas: Região estadual de preservação da natureza e o segundo maior parque urbano do Brasil. Tem uma área com 1.172 hectares de Mata Atlântica.

Como uma cidade turística, o eixo econômico está no setor terciário, de comércio e serviços. Sua culinária é baseada em frutos do mar e peixes, principalmente camarão, além de pratos típicos da região Nordeste. A cultura musical é diversificada, sediando diferentes festivais.

Pelo menos, até a chegada dos colonizadores…

A Chegada dos Colonizadores

Uma belonave foi enviada para a região de Natal, provavelmente devido à Barreira do Inferno, uma base da aeronáutica para lançamentos de foguete, que se localizava ao sul da cidade. O ataque teve início antes mesmo dela pousar.

A Barreira do Inferno, a Ponte Newton Navarro, a Ponte de Igapó e os bairros de Candelária, Cidade Alta, Nova Descoberta, Petrópolis, Ponta Negra, Ribeira e Tirol foram completamente devastados pelo canhão principal da nave.

Ela pousou acima do bairro de Lagoa Nova, com suas extremidades cobrindo parte dos bairros Alecrim, Candelária, Capim Macio, Dix-Sept Rosado, Lagoa Seca, Nossa Senhora do Nazaré, Nova Descoberta e Tirol.

As unidades terrestres que desceram da belonave tomaram o resto da cidade ao sul do Rio Potengi em questão de horas, enquanto unidades aéreas bombardeavam as fronteiras da cidade e a Zona Norte. A tomada completa de Natal foi realizada em menos de um dia.

A Natal Colonizada

A belonave continua no mesmo lugar onde pousou. Por seus trens de pouso terem 1 km de altura, ela atua de proteção para a região abaixo dela, que foi completamente reformada com tecnologia alienígena e passou a servir de base para os colonizadores.

Os bairros de Candelária, Capim Macio, Petrópolis e Tirol foram reformados em estruturas gigantes, com cerca de 500m de altura e 500m de profundidade abaixo do solo. É nela onde vivem os humanos capturados, que servem como fonte alimentícia dos invasores.

O restante da cidade manteve-se devastada, com prédios e estruturas em ruínas, algumas prestes a desmoronar a qualquer abalo sísmico. Unidades terrestres e aéreas patrulham essas regiões à procura de fugitivos e membros da Resistência.

Quatro imensas estruturas alienígenas foram construídas nos limites da cidade, uma no extremo da Zona Norte, duas no extremo da Zona Oeste e uma no extremo da Zona Sul. Elas abrigam as unidades responsáveis pelo patrulhamento das regiões próximas da cidade.

As ordens da patrulha são de capturar os humanos encontrados e levá-los até a cidade, onde são jogadas nas estruturas de cativeiro, apelidadas de currais pelos prisioneiros. Em caso de resistência ou ameaça, as patrulhas possuem autorização para uso de força letal.

Localidades Importantes da Cidade

  • Escola Municipal Professora Maria Dalva Gomes Bezerra: A escola foi transformada numa casamata, servindo de posto avançado para A Resistência Natal. É para onde são levadas as pessoas resgatadas e de onde partem as missões de exploração e resgate.
  • Feira do Japão: Na antiga região da favela do Japão, existe uma área subterrânea onde são vendidos produtos e equipamentos saqueados da cidade. Os vendedores são pessoas que se aventuram nas ruínas, saqueando o que encontram.
  • Mangues: Por motivo desconhecido, os colonizadores evitam os mangues. Além de não patrulharem as áreas, unidades terrestres cessam perseguição quando os fugitivos adentram em um. Os mangues se tornaram o caminho mais seguro de sair ou entrar em Natal.
  • Parque das Dunas: O Parque das Dunas foi mantido intacto pelos colonizadores. Unidades terrestres são encontradas patrulhando a região e realizando coletas de espécimes animais, vegetais e até mesmo do solo.
  • Sítio Macaíba: Localizada nas imediações da cidade de Macaíba, o sítio é a base dA Resistência Natal, um grupo de oposição e combate aos colonizadores. Enquanto procuram por forma de enfrentá-los, auxiliam no resgate e transporte de sobreviventes para cidades do interior.
  • Túneis: Abaixo da cidade existe uma rede de túneis, construídos durante a Segunda Guerra Mundial, quando a cidade serviu de posto avançado para as tropas americanas realizarem vôos através do Atlântico, e posteriormente ampliada por facções criminosas. Atualmente são usados por membros dA Resistência Natal, saqueadores e sobreviventes.

Rumores entre Sobreviventes

  • Lacaios: Há relatos entre pessoas resgatadas que alguns humanos estão auxiliando os colonizadores em troca de melhores condições nos currais. Tais humanos são chamados pejorativamente de lacaios ou minions.
  • Resistência: Um grupo tem vagado pelo país, para estabelecer uma ligação entre os grupos de resistência do Brasil. Supostamente possuem uma forma de comunicação protegida dos colonizadores. E a próxima cidade a ser visitada é Natal.
  • Tecnologia: Há relatos que na Feira do Japão, há um vendedor que comercia peças de tecnologia dos colonizadores obtidas de forma desconhecida. Ele atende pela alcunha de Rapaz da Amarok e cobra valores altíssimos por cada peça.

A verdade está lá fora

O minicenário Natal Colônia já se encontra disponível para download no Dungeonist. Para baixá-lo, basta clicar aqui. Quando for traduzida pro inglês e estiver no Drivethru RPG, eu atualizo esta postagem.

Caso não tenham pego o Colonização, ele está no Dungeonist junto com os demais títulos autorais do Mundos Colidem, bastando clicar aqui e em inglês no Drivethru RPG, bastando clicar aqui.

Infelizmente, eu não me sinto muito confortável para adaptar outras cidades. Além de eu não ter o conhecimento de vivência do lugar, eu também teria de fazer uma pesquisa decente para respeitar seus traços e características, para evitar reproduzir preconceitos e estereótipos sobre ela.

Porém, aventuras já são outros 500. Se eu tiver alguma ideia para aventura bem instigante, eu trarei novamente o minijogo e o minicenário à coluna através delas. Então creio que seja isso. Vida Longa e Próspera a vocês. E fiquem em casa.

Bonanças.

Atenciosamente,

Leishmaniose

Deixe uma resposta