Minijogo – Crianças Enxeridas

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

No episódio desta semana da Caixa do Lima, vamos conversar sobre velhas paixões, motivadas por novas paixões. A velha paixão é o desejo de produzir jogos para crianças, os leitores mais assíduos desta coluna sabem que eu jogo RPG com minha filhota Marianna (a Nega), ela mesmo que aparece nos exemplos de sessões dos jogos de minha autoria. Eu e a Nega, temos uma campanha de Hora da Aventura RPG, resenhando no Mundos Colidem por Helim do Nippon (clique aqui), futuramente pretendo trazer mais informações sobre as estratégias narrativas utilizadas nesta campanha, onde alguns elementos simples no processo de ensino e aprendizagem para ajudar na alfabetização da filhota.

Ah, a nova paixão (suspiros) é a animação Hilda no Netflix, que me levou a conhecer a HQ de autoria do Luke Pearson, “Hilda e o Troll” (recentemente adquiri), obra publicada em 2010, que apresenta uma menina curiosa e aventureira que topa qualquer parada para desvendar os mistérios das lendas da sua localidade de origem européia, um cenário com gigantes, elfos, trolls e uma participação mais que especial do Rei Rato. A obra de Pearson, resgatou o desejo de criar um minijogo com foco investigativo infantil, com a influência da própria Hilda, Stranger Things e Scooby-Doo. A minha infância foi recheada de investigações infantis, baseadas em medos de lendas que os adultos repetiam no bairro para nos assustar.

Nascido e criado em um bairro de periferia na zona norte de Natal, boa parte da minha infância foi regada a lendas locais, como a Caboclinha, uma mulher que foi morta por vários homens, e que voltou para assustá-los (adultos ou crianças do sexo masculino) que estejam sozinhos em locais afastados a noite; ela chicoteava os homens com seus longos cabelos. O Batatão, uma bola de fogo gigante, que voava pelos céus, e capturava as crianças. E inúmeras outras lendas do folclore norte riograndense. Nas proximidades da minha casa, havia a Lagoa do Sapo, o Rio Doce, Florestas e uma Creche Escolar que corria lendas que a mesma era assombrada durante a noite, por crianças que havia desaparecido no local (na idade adulta descobrimos que nunca desapareceu ninguém).

Durante a infância, tínhamos um grupo de investigação para explorar esses locais, e aqueles que adentravam a creche durante a noite, eram respeitados por todo os meninos do bairro, e com a medida que as nossas explorações ao local foram ficando conhecidas, um cachorro guardião surgiu no local (o segurança o colocou para afastar as crianças enxeridas), agora tínhamos o nosso próprio Demogorgon. Após anos de explorações, a adolescência chegou, e descobrimos que tudo aquilo eram apenas lendas locais, mas fizemos a transição para a geração seguinte, recontando as histórias, e as vezes até preparando grandes sustos para os novos exploradores.

E com todas essas experiências e vivências, surgiu a idéia do “Crianças Enxeridas” um minijogo usando o Lima System (LS), um corpo de regras mínimas que dão vida aos outros minijogos do Mundos Colidem que estão disponíveis no DriveThru RPG (clique aqui) e no Dungeonist (clique aqui). Nesta postagem, vou apresentar as regras básicas do Crianças Enxeridas, para os que desejam fazer um playtest e passar um feedback para a equipe do MC. Vamos lá?

CRIANÇAS ENXERIDAS – REGRAS BÁSICAS

Crianças Enxeridas é um jogo de investigação infantil, se atrevendo a dizer que tem influências de Hilda do Luke Pearson, Stranger Things e com pitadas de Scooby-doo. Baseado nas suas influências, este jogo aborda coisas estranhas que ocorrem em todos os lugares, mas negligenciada pelos olhos descrentes dos adultos, que não possuem mais os olhos perspicazes das crianças para observar os fatos estranhos que permeiam a nossa realidade. Restam as crianças, com seus olhos astutos a coragem para investigar.

Criando seu personagem

Para criar seu personagem, preencha os campos abaixo de acordo com suas escolhas e o que deseja para o personagem.

Nome: escolha um nome, este já vai definir o seu gênero.

Arquétipos: Esportista, CDF, Líder e “Recruta”.

Esportista: o praticante de esportes, uma criança ativa que adora se movimentar. O esportista faz todas as rolagens do atributo Corpo com vantagem.
CDF: o gênio do grupo, o sabe tudo, conhece todos os protocolos. O CDF faz todas as rolagens do atributo Mente com vantagem.
Líder: todos querem seguir o líder, geralmente é ele quem articular o grupo e decide as aventuras, só deve haver um por grupo. O Líder faz todas as rolagens do atributo Carisma com vantagem.  
Recruta: é o mais novo do grupo, seja em idade, ou ingresso no grupo. O Recruta faz todos os testes do atributo Curiosidade com vantagem.

Atributos
O personagem tem os atributos Corpo, Mente, Carisma, Sobrevivência e Curiosidade. Cada um dos atributos têm valores que vão de um a catorze. No momento da criação do personagem, o jogador pode distribuir vinte e cinco pontos como desejar entre eles.
Os atributos Corpo, Mente e Carisma reflete as capacidade primárias do personagem, seus testes referentes a atividades físicas (Corpo), mentais (Mente) e sociais (Carisma).
O atributo Sobrevivência reflete a capacidade do jogador mudar a história. Cada ponto de sobrevivência gasto durante o jogo permite refazer uma rolagem ou inserir um elemento narrativo na história, que não vá contradizer a narrativa, mas sim acrescentar. Os pontos de sobrevivência são renovados na próxima sessão de jogo.
O atributo Curiosidade reflete a capacidade do jogador de resistir às tentações de seguir investigando as pistas. Quando algo estranho está ocorrendo, o jogador pode optar por resistir a curiosidade, rolando o dado e tirando um valor igual ou abaixo da sua pontuação de Curiosidade. Em cada falha, o jogador recupera um ponto de Sobrevivência perdido.

O que preciso para jogar?

Uma cópia deste livro, lápis, borracha e algumas folhas de papel em branco para as fichas dos personagens, além de dois dados de vinte lados (d20).

Rolagem de dados

Sempre que for fazer uma rolagem de dados, a primeira coisa a se observar é se a ação é uma ação comum ou uma ação de conhecimento.

Ações comuns são aquelas que a maioria das pessoas podem fazer (abaixar-se, andar sem chamar atenção ou empurrar alguém) e não possui nenhum pré-requisito.

Ações de conhecimentos (usar um computador para trabalhos avançados, usar um estilingue ou preparar uma armadilha) necessita que a personagem tenha uma profissão adequada (Esportista, CDF, Líder ou “Recruta”).

Se a ação for algo muito simples ou o personagem tiver o conceito adequado a uma ação de conhecimento, poderá fazer a rolagem de dados para testar a ação. Para isso, verifique qual atributo é mais adequado à ação e role um dado de vinte lados. Se o resultado do dado somado com a pontuação do atributo for 15 ou mais, o personagem teve um sucesso. Caso contrário uma falha.

Vantagem/Desvantagem: quando as probabilidades da situação estão a favor do personagem, ele está em uma vantagem. Quando as probabilidades da ação estão contra o jogador, ele está com uma desvantagem. Quando o jogador faz um teste que ele tenha uma vantagem ou desvantagem, ele rola dois dados de vinte lados. Se ele tiver em uma situação de vantagem, fica com o valor mais alto. Se estiver em uma situação de desvantagem, fica  com o valor mais baixo.

Saúde

Os ferimentos dos personagens são determinados em duas situações: na primeira falha em um teste de saúde — vinculado ao atributo ligado à ação — a personagem assume um custo ou consequência pela falha. Esse custo é representado por rolagens com desvantagem.
Na segunda falha, o narrador ganha o poder narrativo da ação e o personagem fica à mercê da narrativa, podendo ser considerado “morto”, inconsciente, capturado ou qualquer resultado que o narrador ache adequado.

Morte: neste jogo a morte não é real, quando os personagens são levados a uma situação de morte, os mesmos estão desaparecidos/aprisionados por alguma entidade sobrenatural; ou inconscientes presos nos domínios dos sonhos/pesadelos e precisam ser resgatados pelos seus amigos.

Toca de Coelho: é um portal para o mundo das lendas, geralmente está localizado em algum local de fácil acesso as crianças, e de pouco interesse dos adultos. Exemplo: a casinha no parquinho da escola, a velha árvore na praça ou a lagoa do sapo.

Narrador

Em Crianças Enxeridas, o narrador não rola dados, deixando essa função apenas para os personagens jogadores, que devem superar os testes utilizando sua criatividade, esperteza e a sorte com os dados nas rolagens de teste de seus atributos.

Gerador de Aventuras

O gerador de aventuras é uma tabela para auxiliar o mestre na construção de uma aventura rápida, algo comum a muitos RPGs. Basta rolar 1d20 em cada coluna para montar a estrutura da sua aventura.

Role 1d20
LocalFatoAdversário
1-4QuintalBrinquedo desaparecidoNinguém
5-8EscolaSons EstranhosCrianças
9-12Praça públicaObjetos desaparecidoAdultos
13-16Prédio abandonadoCriança desaparecidaLenda local
17-20Rede de esgotosFantasmaBicho Papão

CONCLUSÃO

Essa é a última postagem de 2018 do Mundos Colidem, e porque não finalizar o ano mantendo o costume da Caixa do Lima? Sim, fechamos com mais um jogo mediante a todos que foram apresentados e trabalhando neste espaço. Espero que vocês aproveitem bastante o Crianças Enxeridas nessas férias, não esqueçam de mandar o feedback, por favor. Em 2019 voltaremos com muitas novidades sobre os outros jogos que passaram por aqui: Nova Amsterdã, Nova Ifé, Espada & Magia e Crianças Enxeridas. E assim o MC começa o seu hiato, retornaremos em fevereiro, e desejo um feliz natal, e um ano novo cheio de realizações para todos.

O Crianças Enxeridas está disponível no Drivethru RPG para download: https://www.drivethrurpg.com/product/261588/Criancas-Enxeridas?src=newest

Até breve 😉  

1 Comentários

  1. Como se baixa ?

Deixe uma resposta