Medievo RPG: Fantasia Medieval na Baixa Idade Média para Fate/FAE

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

Essa semana na Caixa do Lima, vamos voltar a falar sobre o Fate, aproveitando o ensejo da postagem do Joka na Coluna Espaço Mítico, onde ele veste seu manto de caçador de mitos, munido de sua lupa e alguns dados fate e desmistifica a lenda urbana de que o Fate Básico e o Fate Acelerado são dois sistemas diferentes.

Usando de muitas citações do Fred Hicks, um dos co-criadores do Fate, ele garante que o Fate Acelerado é uma condensação do Fate Básico, apresentado uma ou duas maneiras diferentes de se jogar, mas é o mesmo jogo. Apesar de algumas pessoas ainda acreditarem que possam ser dois jogos diferentes, o Hicks deixa bem claro que não.

Ainda escutamos algumas argumentações sobre o assunto, reinterpretando as palavras do Hicks e justificando que são dois sistemas completamente diferentes, mas em tempos quando que as argumentações assumem níveis bem complexos, e solicitam rolagens de sanidade,  tais como as que temos observado nas últimas semanas, “Os alemães não entende de nazismo”, “Fukuyama é comunista”, “Roger Waters não entende a letra de Another Brick in the Wall” e com todo esse contexto, podemos ter um… “Fred Hicks não entende de FATE” nos comentários.

Então, com base na postagem do meu companheiro Jokinha, compartilho com vocês uma adaptação do Medievo RPG, que foi a minha primeira experiência como game designer para Fate Básico e Fate Acelerado.

O que é o Medievo RPG?

Medievo RPG: Fantasia Medieval na Baixa Idade Média, é um sistema narrativo de RPG que utiliza a Baixa Idade Média como cenário, tendo o próprio Fate como uma de suas principais influências para a construção das mecânicas de regras. Desenvolvido de acordo com a experiência na utilização do RPG em sala de aula, durante a pesquisa sobre a inclusão de novas tecnologias em educação, por volta do ano de 2015, realizada inicialmente no ensino fundamental (anos finais) e posteriormente, nos anos iniciais. A obra tem como proposta trazer a narrativa interativa — metodologia do RPG — para a sala de aula, usando do recurso lúdico como ferramenta de ensino e aprendizagem.

O Medievo é um sistema de RPG com uma proposta narrativista, que usa o período histórico da Baixa Idade Média Europeia como cenário, conhecido também como a Idade das Trevas, mas que foi de grande importância para a consolidação e o desenvolvimento de instituições que perduram até hoje em nossa sociedade, como a Igreja e as Universidades, tendo as Cruzadas, o domínio feudal, a Peste Negra e o apocalipse iminente como temas centrais explorados no Medievo. Todo o material está em licença Creative Commons (CC) e pode ser reproduzido, copiado, compartilhado e modificado, desde que seja dado os devidos créditos e sem fins lucrativos.

Construindo Personagens

Essa adaptação do Medievo RPG para Fate Básico e Fate Acelerado consiste em apresentar o processo de construção de personagens. No primeiro momento, os jogadores deverão escolher a profissão dos seus personagens na Idade Média (que será o aspecto de conceito do seu personagem). À época, as profissões estavam diretamente ligadas ao status social do indivíduo, à sua colocação na sociedade medieval — similar ao que conhecemos hoje com os empregos, com a diferença de que as profissões no medievo eram imutáveis: você não poderia migrar entre profissões, da mesma forma como não poderia migrar de status social.

A sociedade medieval estava dividida em três grupos Oratores (clero), Belatores (cavaleiros e nobres) e Laboratores (artesões, navegantes e comerciantes). Na sociedade medieval haviam também as profissões ilícitas, que eram condenáveis pela ordem social vigente, como Saltimbancos e Gatunos. Existia uma gama de profissões que se encaixavam nos Laboratores, mas para o objetivo dessa adaptação, optei por duas delas.

  • ORATORES: são os membros do clero, e estão no topo da pirâmide social, com influência em vários segmentos da sociedade. Aspectos de conceito: Padre, Monge, Bispo, Inquisitor ou Missionário. Aspectos de dificuldade:Não há espaço para hereges no mundo”, “Fanático fundamentalista”, “Sigo cegamente as ordens do Abade Pierre” e “A igreja acima dos homens”.
  • BELATORES: eram os membros da nobreza, aos qual a igreja ou os reis concediam títulos de cavaleiros ou de nobres, mediante favores prestados para os primeiros. Aspectos de conceito: Cavaleiro, Senhor Feudal ou Diplomata. Aspecto de dificuldade:Meu quinhão primeiro”, “Não me relaciono com classes inferiores”, “Minha família está falida” e “Devo favores ao Duque de Clermont”.
  • LABORATORES: são as profissões da base da pirâmide social da baixa idade média, lutando para viver e sofrer sob as explorações das castas superiores e oferecendo os seus serviços para os oratores e os belatores. Aspectos de conceito: Artesão (marceneiro, metalurgia ou pedreiro), Líder de caravana (comerciante) ou Segundo Imediato do Pérola Negra (Navegante). Aspectos de dificuldade:Tudo pela guilda dos artesãos”, “Sou capaz de tudo por um bom negócio” e “Uma baleia me persegue”.
  • ILÍCITOS: profissões que eram mal vistas na sociedade medieval e por isso, eram marginalizados e culpadas quase sempre por todos os problemas existentes. Aspectos de conceito: Gatuno ou Saltimbanco. Aspecto de dificuldade:Meu rosto é conhecido”, “Fugitivos por algum motivo”, “Nada que brilhe escapa dos meus olhos” e “Sim, sou muito parecido, mas não sou eu”.

Fate Básico

Como o status social no medievo era quase imutável, vamos trazer esta atmosfera na emulação das regras do Fate Básico, dividindo as perícias por profissão e usando o método de esfera de perícias do Fate: Ferramentas do Sistema. Ao escolher a profissão do Personagem, que será representado pelo seu aspecto de conceito, o jogador vai colocar um +3 na esfera relativa à classe social da sua profissão e depois distribuir as pontuações +2, +1 e +0 nas demais colunas.

 

Perícias
OratoresBelatoresLaboratoresIlícitos
ContatosAtletismoVontadeAtletismo
PercepçãoIntimidaçãoConhecimentoConhecimento
EmpatiaCombateContatosEnganar
VontadeRecursosSobrevivênciaFurtividade
ComunicaçãoMontarOfíciosRoubo

 

Exemplo: Marianna decide fazer uma personagem com uma profissão ilícita, logo ela escreve no conceito da sua personagem “Gatuno”, e escolhe a dificuldade: “Nada que brilhe escapa dos meus olhos”, e colocar +3 na esfera de perícias das Profissões Ilícitas. Para as outras esferas ela distribui: + 2 em Laboratores, +1 em Oratores e +0 em Belatores.

 

Fate Acelerado

A construção de personagens no FAE se dá de forma mais rápida ainda: os jogadores, após decidirem quais serão as suas profissões e seus aspectos iniciais, precisam apenas distribuir os valores: +3, +2, +2, +1, +1 e +0 nas seis abordagens: Ágil, Cuidadoso, Esperto, Estiloso, Poderoso e Sorrateiro.

 

Exemplo: Theo decide jogar usando as regras do Fate Acelerado e opta por fazer um personagem de profissão Oratore, escolhendo como conceito de seu personagem “Monge Missionário”, com a dificuldade “Não há espaço para hereges no mundo”. Após definir os aspectos de conceito e dificuldade, ele distribui a pontuação nas abordagens desta forma: Cuidadoso +3, Poderoso +2, Esperto +2, Ágil +1, Sorrateiro +1 e Estiloso +0.

 

Façanhas, Pontos de Destino, Estresse e Consequências

Façanhas

As façanhas são as especialidades dos personagens, que iniciam com três façanhas, podendo definir mais delas, desde que use seus pontos de destino para tal, até ficar com o mínimo de um ponto de destino. As demais podem ser criadas no decorrer do jogo.

Para o seu gatuno, Marianna cria a primeira façanha: “Primeiro a bater, Primeiro a correr” que fornece +2 em ações de luta usando Atletismo (Fate Básico) ou Ágil (Fate Acelerado). As demais façanhas ela decide criar durante o jogo.

Pontos de Destino e Recarga

Os pontos de destino (PDs) são ferramentas importantíssimas do jogo, pois permitem ao personagem refazer uma rolagem, adicionar um +2 a uma rolagem, ativar aspectos de personagens, consequências e de cena, certos poderes, ou inserir um elemento narrativo na cena que não vá contradizer a linha histórica.

Estresse e Consequências

O Estresse é a capacidade de dano que o personagem suporta sem sofrer consequências. Ao preencher as caixas de estresse de acordo com o acúmulo de sucessos sofridos pelas ações dos adversários, os personagens começam a acumular Consequências, que são aspectos negativos criados pelos jogadores e que podem ser invocados pelo narrador em prol das adversidades da narrativa. E ao jogador também cabe o direito de invocar uma consequência em prol de aquisição de um PD e do elemento narrativo.

Conclusão

O objetivo dessa postagem é se apropriar das explanações do Fred Hicks e do Joka sobre os “dois sistemas” e mostrar que não é um bicho de sete cabeças fazer adaptações e hacks para ambas as “abordagens” do Fate. Sua diferença essencial fica nas perícias (Fate Básico, pág. 88), que são substituídas por abordagens (Fate Acelerado, pág 17), que estão agrupadas em seis abordagens que substituem dezoito perícias.

Sobre o Medievo, vocês encontram os materiais na Loja do Mundos Colidem no DriveThru RPG, com exceção do Fast Play, que está disponível para download no site do MC. E para os que acompanham o Medievo desde o seu início, a escrita foi finalizada, e o mesmo se encontra nos braços do senhor de todo o caos, o Grand Papai Smurf do MC, Petras Furtado.

Até breve!

2 Comentários

  1. Oi, Raphael. Gosto muito de teus textos e considero Medievo muito interessante. Recentemente lembrei de ti, fui convidado por um grupo para narrar para crianças carentes num centro comunitário, aqui em Belém (PA).

    Não usei o Medievo, mas vivi mais uma vez a experiência do caos em estado puro, e foi um sucesso o jogo.

    Em tempo: as pessoas limitadas têm preguiça de pensar mesmo, ou vivem no ódio com a diversidade, as Muitas Resistências estão mais vivas que nunca. Não estamos sozinhos.

    Abraços!

    Prof. Gilson Rocha de Oliveira

    http://pesquisarpg.ufpa.br/
    http://rpgsimples.blogspot.com/

  2. Olá Professor Gilson, fico extremamente lisonjeado que gostes dos meus textos. E mais feliz ainda em saber que não estamos sós na resistência e no objetivo de tornar o RPG acessível a todos os públicos. Axé!

Deixe uma resposta