Final Fantasy Tactics para D&D 5ª Edição – Parte I

Olá pessoas!
Aqui é o Tio Lipe e bem-vindos novamente ao Santuário do Mestre. Não é de hoje que discuto com amigos sobre as mecânicas e nuances da 5ª edição do RPG mais jogado do mundo (D&D), e minhas participações neste tópico só aumentaram após a chegada do grande João D e sua Torre aqui no site. Entretanto, foi somente depois de começar a ler o novo trabalho de Leishmaniose sobre Wuxia para a 5ª Edição que finalmente tomei coragem para começar a adaptar um dos games que mais amo de todos os tempos para o sistema. Estou falando de Final Fantasy Tactics.

Índice Final Fantasy Tactics 5ª Ed:

Apresentação

Lançado originalmente pela SquareSoft em 1997 para o Playstation, Final Fantasy Tactics é um spin-off de uma das maiores franquias de JRPG de todos os tempos. Tendo roteiro e direção de Yasumi Matsuno, o jogo acompanha a história de Ramza Beoulve, “um cadete que acaba se envolvendo num complexo conflito militar conhecido com a Guerra dos Leões, onde duas facções nobres rivais estão competindo pelo trono do reino de Ivalice, ao mesmo tempo em que ele descobre um plano sinistro por trás da guerra” (Wikipédia). O jogo foi muito bem recebido por crítica e público, possuindo até hoje uma legião de fãs (eu incluso).

Entre suas principais características está o fato de ser um RPG tático com visão isométrica tridimensional e de mapa rotacional (as personagens são posicionadas num tabuleiro de tamanho e terreno pré-determinado, devendo-se se mover e atacar os inimigos taticamente e onde o jogador pode rotacionar o mapa a fim de ter uma melhor visão do combate), diferenciando-se imensamente do estilo de combates por turnos de movimentação fixa dos demais jogos da franquia principal. Além disso, cada personagem possui um job (classe ou ocupação) com habilidades e magias únicas, podendo-se mudá-lo entre missões, quantas vezes quiser e afetando significativamente a estratégia em combate.

É conhecido que Final Fantasy Tactics inspirou-se imensamente no jogo Tactics Ogre (Super Nintendo, 1995), mas também serviu de inspiração para outras tantas franquias, sendo a mais famosa delas Disgaea (Playstation 2, 2003). Ele teve dois jogos derivados, sendo o primeiro Final Fantasy Tactics Advance (Game Boy Advance, 2003) e o segundo Final Fantasy Tactics A2: Grimoire of the Rift (Nintendo DS, 2007), mas não se tratam de continuações diretas do jogo original. Além deles, outros dois jogos também possuem relação com o seu cenário, sendo Vagrant Story (Playstation, 2000) e Final Fantasy XII (Playstation 2, 2006).

Esta adaptação será separada em partes (uma para cada postagem), trazendo informações sobre o cenário, regras e mudanças no sistema (muita coisa precisa ser mudada para implementar o modelo de classes e combate do jogo nas regras da 5ª edição). A postagem de hoje abordará sobre o cenário em si, apresentando o reino de Ivalice, envolvendo sua história, geografia e cultura. Ela servirá não apenas para esta adaptação, mas para qualquer RPG que vocês queiram jogar no cenário ou mesmo se inspirar.

Final Fantasy Tactics Ramza

Ivalice: História

Cataclismo

A história de Ivalice começa antes da sua formação como monarquia, tendo como ponto mais misterioso o Cataclismo. Ele foi um desastre catastrófico que arruinou reinos e matou milhões, apesar de sua natureza exata ser desconhecida. Não se sabe quando ocorreu ou quanto tempo durou, embora tenha ocorrido há menos de 1.200 anos. O Cataclismo é muitas vezes considerado como a causa por trás da perda das tecnologias mais avançadas que o continente de Ivalice já viu, embora isto nunca tenha sido realmente confirmado.

Ele também destruiu pelo menos duas raças, os querubins e os moogles da cidade relógio de Goug e, se o mito ivaliciano for verdadeiro, ameaçou a humanidade, levando muitos a crer que foi o responsável pelo desaparecimento das raças não-humanas do continente. O naufrágio do Ydora, ocorrido no final da vida da Santa Ajora e envolvendo o afogamento de uma nação inteira da península ivaliciana, também está relacionado ao Cataclismo. Especula-se também que ele foi responsável pela criação do lendário Continente Flutuante.

A Guerra dos Cinquenta Anos

A monarquia de Ivalice foi fundada em algum período após o Cataclismo, não se sabendo quando ocorreu exatamente. Entretanto, o evento mais importante e prévio a era atual foi a Guerra dos Cinquenta Anos, travada entre Ivalice e Ordalia, o reinado vizinho a leste. Na época, Ivalice era governada pelo rei Denamda II, enquanto o reinado vizinho era governado pelo rei Devanne III. Ivalice foi defendida pela Ordem dos Cavaleiros do Céu do Norte, liderados por Barbaneth Beoulve, e pela Ordem dos Cavaleiros do Céu do Sul, liderados por Cidolfus Orlandu. Outro exército, a Ordem dos Cavaleiros do Céu Oriental, também serviu Ivalice, sob a liderança de Goffard Gaffgarion.

A guerra irrompeu em Zelmonia, uma província perto da fronteira de Ivalice, antes independente e hoje sob o domínio de Ordalia. Cerca de um século atrás, Ordalia invadiu e assimilou Zelmonia como parte de seus territórios. Ivalice forneceu secretamente meios para enfraquecer Ordalia, no entanto, os nobres de Zelmonia decidiram requerer a intervenção direta do rei Denamda. Com o tempo, o rei Devanne III acabou morrendo sem nomear um sucessor. Seu primo, Varoi VI, foi nomeado para sucedê-lo, mas o rei Denamda II proclamou-se como herdeiro legítimo do trono, uma vez que era tio de Devanne, declarando guerra contra Ordalia.

O rei Denamda II liderou o exército de Ivalice para tomar a capital de Ordalia, Viura. Em seu caminho, os cavaleiros das três Ordens lutaram bravamente, vencendo batalha após batalha. No entanto, assim que chegaram à fronteira ordaliana, o rei adoeceu, morrendo pouco tempo depois, sem jamais retornar ao seu reino. O exército de Ivalice ficou perdido e confuso, devido à morte de seu líder, criando uma oportunidade para Ordalia reforçar seu exército e retomar as fronteiras. A guerra foi feroz, culminando num ponto de impasse. Um sucessor para Denamda II, Denamda IV, foi rapidamente coroado para substituir seu pai.

Durante o impasse, os exércitos de Romanda atravessaram o Estreito de Rhana em uma incursão sobre Ivalice. Romanda é uma nação militar governada por parentes de sangue do rei Varoi VI. O rei Denamda IV e seu exército suportaram a invasão graças à ajuda do regente de Fovoham, o grão-duque Gerrith Barrington, e seu esquadrão de assassinato, os Khamja. O rei era um cavaleiro destemido que conduziu pessoalmente os seus exércitos nas batalhas contra as forças combinadas de Romanda e Ordalia. Depois de três anos de luta contínua, Romanda foi forçada a recuar, incentivada por um surto de peste que atacou seu povo.

Com a retirada de Romanda, Ivalice continuou a guerra contra Ordalia. No entanto, Denamda IV morreu de repente, acreditando-se que tenha sido assassinado. Ele foi sucedido pelo rei Ondoria III, um homem de vontade fraca e incapaz de governar, onde todas as suas decisões foram tomadas de fato pela sua rainha, Louveria. Varoi VI também morreu e foi sucedido pelo príncipe Lennard.

A última batalha travada entre Ivalice e Ordalia ocorreu em Zeltenia, e ainda que os cavaleiros das Ordens tenham lutado bravamente, Ordalia conseguiu invadir o território. Finalmente, Ivalice e Ordalia concordaram em fazer um tratado, onde a paz mútua foi reconhecida entre eles e Zeltenia devolvida a Ivalice, apesar de rumores persistam de que, na realidade, Ivalice tinha se rendido devido à fraqueza de seu novo rei.

Após a Guerra dos Cinquenta Anos, Ivalice sofreu um grande abalo socioeconômico. Um grande sentimento de insatisfação com os nobres e com a família real começou a crescer no coração da população, uma vez que eles perceberam que foram envolvidos numa guerra sem sentido. Pagamentos não puderam ser feitos aos cavaleiros que tinham lutado na guerra, devido à grande quantidade de gastos com armas e defesas. Devido a isso, muitos foram dispensados do exército. Com menos comida, pouco dinheiro e altas taxas de desemprego, a deslealdade para com as casas nobres aumentou significativamente. Agricultores frequentemente se revoltavam com as altas taxas de impostos, e muitos se aliaram ao grupo revolucionário Brigada Cadáver.

A Guerra dos Leões

Há poucos anos, os dois únicos filhos do rei Ondoria morreram misteriosamente, fazendo-o adotar a sua própria irmã mais nova, a princesa Ovelia, como sua filha. Entretanto, um ano depois a rainha Louveria deu à luz ao príncipe Orinus. Rumores então começaram a surgir sobre a saúde debilitada do rei. Desde o colapso que teve durante a festa de aniversário de um ano do príncipe, era óbvio que ele não estava bem. Os seus ministros, o Conselho dos Nobres, divulgaram notícias de que o rei estava ficando melhor, mas as pessoas sabiam que não era a verdade. Novos rumores surgiram de que a rainha e alguns nobres discutiam sobre quem deve ser o sucessor.

Diante deste cenário de incertezas, o rei finalmente foi dado como morto e o duque Larg, de Gallione, e o duque Goltana, de Zeltenia, iniciaram um conflito a fim de se tornarem os regentes de Ivalice, sendo conhecido como a Guerra dos Leões. Larg apoia a ascensão ao trono por parte do príncipe Orinus, sendo aliado da rainha Louveria. Já Goltana deseja que a princesa Ovelia assuma o trono do irmão e pai adotivo, tendo para si a posição de regente.

Final Fantasy Tactics Mapa

Geografia

O território de Ivalice está localizado na parte mais ocidental do continente, de nome desconhecido, onde parte de suas características geográficas foram moldadas por um evento chamado de Cataclismo. Seu território a oeste está coberto por planícies férteis, enquanto que a leste predomina um clima mais seco. Ao sul, se estende um promontório no qual foi fundada a nação de Lionel, com a grande Ilha de Goug a oeste. A baía no lado sudeste de Ivalice era terra, sendo antes o local do antigo Sacro Império de Ydora. Uma catástrofe afundou toda a região, engolida pelo Oceano Leste de Bugross. Por fim, a pequena ilha no meio do Mar do Coral Negro é o local da Catedral de Mullonde, a sede da Igreja de Glabados.

Águas

Ivalice é cercada pelas águas do Estreito de Rhana no norte, e o Mar de Bugross de sudeste a sudoeste, cada um conhecido como o Oceano Leste e Oeste de Bugross. O Mar de Bugross é dito ser estranhamente tempestuoso durante todo o ano e muitos navios foram afundados por suas ondas gigantes. Isso levou à construção de um farol no local conhecido como Abismo de Midlight. O Estreito de Rhana também possui fortes ventos que sopram no litoral de Fovoham.

Ivalice também é o lar de uma variedade de águas continentais. O Rio Dorvauldar, em Limberry, fornece fertilidade para todas as planícies da região. As Quedas de Zeirchele descem das Montanhas Algost, criando uma maravilha natural em suas falésias em forma de escadas. Algumas águas foram locais de batalhas sangrentas durante a Guerra dos Cinquenta Anos, incluindo o Pântano Tchigolith, em Lionel, e o Lago Poescas, em Limberry. Ambos foram arruinados por suas respectivas batalhas — Tchigolith se tornou um pântano venenoso, enquanto que o Poescas é assombrado pelas almas daqueles que morreram lá. Uma grande parte do Lago Poescas secou, deixando nada além de uma camada branca de sal, embora acredite-se que suas seções profundas seja o lar de algum tipo de serpente marinha. O Castelo de Limberry também é construído as margens do Lago Loch Dalla.

Montanhas

O território ivaliciano é bastante montanhoso. Cadeias de montanhas cruzam por regiões inteiras, criando muitos vales e passagens. Algumas montanhas famosas incluem: os Picos Thealla, onde se crê que sejam as montanhas mais elevadas de Ivalice, tendo 6.000 metros; a Montanha Landria, que já foi o local de um sítio sagrado usado por monges; o Monte Germinas é o pico mais antigo de Ivalice, elevando-se a partir de um terreno seco e estéril; o Monte Bervenia, um vulcão ainda ativo; o Monte Gulg, onde correm boatos sobre aparições do espírito de uma menina que caiu do vulcão; e o Monte Urobos, o local da atividade de mineração em Gariland.

Clima

O clima em Ivalice é considerado por alguns como tropical, devido ter duas temporadas distintas: úmido e seco. No entanto, há sinais de um clima temperado, devido à neve que cai por vezes na cidade mineira de Gollund, embora possa ser por estar situada em uma altitude maior do que outros assentamentos. Isso dá credibilidade à teoria de que Ivalice é realmente de clima mediterrânico temperado, devido ter uma estação de chuvas no inverno e uma estação seca no verão, como é evidente no seu calendário. A estação chuvosa ocorre nos meses de Sagitário a Aquário e de Gêmeos a Câncer, enquanto a estação seca ocorre de Leão a Escorpião e de Peixes a Touro.

Final Fantasy Tactics Delita

Cultura

Religião

Nos tempos antigos, os povos de Ivalice eram membros do Farismo, uma religião teocrática. Isso mudou após o Cataclismo que atingiu Ydora, onde a Igreja de Glabados se tornou a principal religião de Ivalice. O Farismo, também conhecido como a Igreja de Fara, era a religião dominante no continente no tempo da Santa Ajora Glabados. Foi também a religião patrona do Sacro Império de Ydora. A Ilha de Mullonde era o centro dos ensinamentos do Farismo.

O Farismo era uma religião influente, tendo se infiltrado na política de Ivalice. Entretanto, seus seguidores começaram a diminuir devido aos milagres da Santa Ajora e a sua crescente influência. Temendo que pudessem perder seu domínio sobre o povo, sacerdotes do Farismo buscaram a intervenção do Império, levando a captura e execução da santa, o que provou ser a queda de sua religião. Logo após a execução da Santa Ajora na forca de Golgollada, Mullonde foi jogado num Cataclismo que afundou a capital santa no mar. O Farismo então morreu, e muitos dos seus órfãos foram convertidos para a Igreja de Glabados, glorificando a Santa Ajora como a filha dos deuses.

Política

Após o Cataclismo, Ivalice passou a ser regida por uma monarquia absolutista. A família real de Atkascha tem governado por gerações, e eles vem compartilhando suas linhagens reais com os governantes de Ordalia e Romandia a fim de garantir a paz entre os reinos. Em termos políticos, o Conselho de Nobres, composto pelos aristocratas das famílias nobres de cada território, auxilia o rei em suas atividades, atuando como ministros.

Há sete territórios em Ivalice, todos sendo as nações formadoras do reinado. Como a família real descende do trono de Lesalia, ela passou a ser o território governado diretamente pelo rei e sendo a capital de Ivalice. As demais nações foram divididas em: o Ducado de Gallione, o Grande Ducado de Fovohan, o Ducado de Zeltenia e o Marco de Limberry. Lionel é uma nação parcialmente independente, possuindo sua própria estrutura de governo, mas devendo obediência ao rei de Ivalice. Já Mullonde pertence a Ivalice, mas a Igreja de Glabados tem plenos poderes sobre seu território, não tendo intervenções do Estado.

Organizações

Casas nobres e suas nações: Atkascha (Lesalia; família real); Beoulve (Gallione); Gaffgarion (Lionel); Larg (Gallione); Orlandu (Lesalia); Goltana (Zeltenia); Elmdore (Limberry); Thadalfus (Limberry).

Conselho dos Nobres: são nobres eleitos diretamente pelo rei para auxiliá-lo em suas atividades administrativas. Geralmente são os líderes de suas famílias, sendo o homem mais sábio e influente da Casa. Ao todo são doze membros, um para cada mês do ano e assim é chamado as suas cadeiras no conselho. Trata-se de um cargo vitalício, ao menos até o rei dispensá-lo de suas obrigações, o que ocorre geralmente quando há traição ou devido à política.

Igreja de Glabados: formada após a queda do Farismo, a Igreja gira em torno da figura divina da Santa Ajora Glabados. Mesmo centrada na fé em Ajora, trata-se de uma religião politeísta, onde outras figuras divinas também são louvadas. Em vida, a santa pregava sobre a abnegação das coisas materiais para alcançar o caminho da salvação, chegando ao Paraíso. Entretanto, isso chamou a atenção de sacerdotes do Farismo, levando a execução dela. A morte de Ajora trouxe não apenas o fim do Farismo, mas foi também o precursor do Cataclismo e o fim do Sacro Império de Ydora segundo as lendas. O atual líder da religião é o Grande Confessor Marcel Funebris, tendo como aliados o cardeal Delacroix, regente de Lionel, e Vormav Tingel, líder dos Cavaleiros Templários. A sua sede fica na Catedral de Mullonde, localizada numa ilha ao sul de Gallione, sendo um território independente da monarquia ivaliciana.

Cavaleiros Templários: são os guerreiros sagados da Igreja de Glabados, sendo sua força militar e quem garante a independência de seu Estado teocrático. São conhecidos por possuírem um estilo de combate focado em enfraquecer seus adversários, mesmo à distância, sendo abençoados pela sua fé na santa. Têm como líder Vormav Tingel.

Companhia de Trocas Bart: trata-se de uma companhia comercial administrada por Ludovich Bart, da cidade portuária de Warjilis. É uma organização de renome por suas obras sociais e caridade, ajudando orfanatos e cedendo provisões de infraestrutura. Entretanto, rumores alegam que esta é apenas uma máscara para os seus verdadeiros negócios. Diz-se que a companhia está envolvida no tráfico de ópio e de pessoas, atuando no mundo do crime e mesmo sendo responsável por assassinatos.

Khamja: trata-se de um grupo de assassinos. Suas relações e atividades são muitas vezes ilegais e sua existência está entrelaçada na história da própria Ivalice. Eles tendem a trabalhar nos bastidores, realizando negócios nas entrelinhas, mas também podem atuar entre o público, conseguindo passar despercebidos. A guilda é considerada incrivelmente poderosa e perigosa, tendo acesso a magias, armas e técnicas que outros não possuem. Isto, junto com sua vontade de matar quando necessário, as ligações com o mercado negro, sigilo e sede de poder, torna-os uma das organizações mais poderosas em toda Ivalice.

Brigada Cadáver: trata-se de uma organização revolucionária formada por soldados aos quais foram negados seus pagamentos e direitos ao fim da Guerra dos Cinquenta Anos. Organizados militarmente, eles vêm causando tumulto no último ano, atacando nobres de renome e sendo acusados de conspirar contra a monarquia. Muitos aldeões já se uniram a sua causa de justiça pela espada, ou apenas desejando vingar-se pelos duros anos durante e após a guerra. É liderada por Wiegraf Folles, um paladino, e tem como braço direito Milluda Folles, sua irmã.

Lionsguard: trata-se da guarda pessoal da família real de Ivalice. Ela é formada pelos melhores e mais leais guerreiros do reinado, sendo uma posição de grande status e honra absoluta. São os principais formadores de paladinos no reinado, que juram proteger seu senhor e o bem no mundo.

Gryphon Knights: trata-se de um grupo militar de templários que servem ao regente de Lionel, o cardeal Delacroix. Um de seus capitães mais proeminentes é Beowulf Cadmus.

Ordem dos Cavaleiros do Céu do Norte (Hokuten): é um dos exércitos que lutou por Ivalice na Guerra dos Cinquenta Anos. Tem sua sede em Gallione e é liderado por Zalbaag Beoulve, sob as ordens de Dycedarg Beoulve, seu irmão e conselheiro do regente de Gallione, duque Bestrald Larg.

Ordem dos Cavaleiros do Céu do Sul (Nanten): um dos exércitos que lutou por Ivalice na Guerra dos Cinquenta Anos. Tem sua sede em Zeltenia e sendo liderado pelo seu atual regente, duque Druksmald Goltana.

Ordem dos Cavaleiros do Céu Oriental (Touten): é um dos exércitos que lutou por Ivalice na Guerra dos Cinquenta Anos. Tem sua sede em Limberry e é controlado pelo seu atual regente, o marques Messelam Elmdore.

Final Fantasy Tactics Ramza e Dellita

Missão Concluída

E por hoje é isso pessoal! Espero que tenham gostado da postagem e aguardem que em breve apresentarei as regras. Falarei primeiro sobre o processo de criação de personagens e suas mudanças (sim, temos várias), para então entrar em detalhes como as classes. Enquanto isso, confiram também a adaptação de Final Fantasy Tactics para Savage Worlds criada por Hélio da coluna Estação das Brumas, certo?

Até and Bye…

12 Comentários

  1. Matheus Rodriguessays:

    Adorei a dedicação com o trabalho que está tendo. Muito bom mesmo!
    Porém, pela estrutura de jogo, não acha que Final Fantasy Tactics ficaria melhor adaptado em Shadow of the Demon Lord? Digo pela estrutura de trilhas, a ambientação mais mortal do cenário, e esses detalhes.

    No mais, aguardo ver continuidade do projeto!

    • Olá @Matheus Rodrigues!
      Muito obrigado pelo apoio. Então, eu até poderia adaptar para Demon Lord, mas você verá nas próximas postagens, e eu não quero dar spoilers, que mesmo sendo para 5Ed, eu usei MUITAS referências a vários sistemas d20 para me ajudar na adaptação. Aguarde e confie! 😉

      Até and Bye…

  2. Massa de mais a ideia, vou ficar de olho, embora seja pra d&d 5e vou usar ele pro 13 era, acho que vai ficar melhor, pessoal escolher os ícones e tudo mais e ter aquela intriga sinistra, dar um destaque maior pros personagens no mundo assim como Ramza e Delita mudaram ele.
    A propósito sou um grande fã de Final Fantasy Tactics também, aguardo ansiosamente as outras partes.

    • Olá @Igor Santos!
      Valeu mesmo pelo apoio. Eu não conheço muito bem o 13ª Era, mesmo já o tendo jogado algumas vezes. Pessoalmente não curto a aleatoriedade que o jogo “usa e abusa” (aquela parada de tirar ímpar ou par, ou tirar acima de um número ou abaixo de outro), mas isso é algo mais pessoal que de fato um problema. Contudo, mesmo que eu esteja adaptando para D&D 5ª Ed, você perceberá nas próximas postagens que usei algumas ideias do 13 ª Era. Aguarde e confie! 😉

      Quanto ao uso dos Ícones, a ideia é super válida e pode ser usada em qualquer sistema, até mesmo para a minha adaptação! Se você criar os Ícones para FFT, põe aqui nos comentários ou manda para nós aqui do Mundos Colidem na forma de uma postagem e quem sabe não sai na coluna dos fãs. Caso se empolgue para escrever, saiba mais sobre as regras para envio dos textos nesta postagem aqui: https://www.mundoscolidem.com.br/regulamento-para-envio-de-artigos/

      Até and Bye…

  3. Rodrigo Carnevalesays:

    Olá! Ótima iniciativa.

    Tem um erro nas casas, Lionel é um território da igreja sob comando do Cardeal Delacroix, não do Gaffgarion.

    • Olá @Rodrigo Carnevale!
      Opa, obrigado! Sobre as casas nobres, acho que não me fiz claro no texto. Ali são apenas uma lista com exemplos de famílias nobres, não necessariamente as mais importantes ou as que regem uma determinada nação de Ivalice. Sim, de fato, é o Cardeal Delacroix que atua como regente de Lionel, onde Gaffgarion é apenas uma de suas casas nobres. Espero ter esclarecido.

      Até and Bye…

  4. Ótima matéria, no aguardo das demais partes da adaptação.

  5. André Fariassays:

    Muito bom!
    Quando sai a parte 2?

    • Olá @André Farias
      As postagens de cada coluna são quinzenais. Desta forma, só aguardar que dia 15/04 sai a próxima parte.

      Até and Bye…

  6. Grandes franquias de RPG de videogame não terem sua versão oficial de mesa é uma parada que eu não consigo entender.

    • Olá @mikemwxs!
      Algumas delas até que possuem, como Dragon Age e recentemente The Witcher, e existem bons autores independentes criando materiais fabulosos por ai, como uma bela adaptação de Mass Effect para 5Ed que já tive o prazer de jogar. Contudo, nem tudo que é comercial numa mídia, funciona em outra. E quando falamos que JRPGs então, a coisa é mais complexa. Mas interessante a sua reflexão. 😉

      Até and Bye…

Deixe uma resposta