Desafio de Perícias em D&D 5ª Edição

Olá aventureiros e aventureiras !

Eu sou o DM Quiral, e este é nosso espaço de experimentações no Laboratório do Alquimista do Mundos Colidem.

O assunto de hoje é o resgate do desafio de atributos do 4e para a versão mais recente, o D&D5e. Nessa proposta a resolução de conflitos pode ser feita com maior granularidade, mas ainda sem deixar completamente mecanizado (e vale para vários sistemas similares).

A TRINCA DE D&D5e

O Dungeons & Dragons se propõe a trazer três tipos principais de desafios: A exploração, a interação social e o combate. Este ultimo (o combate) é muito bem estruturado na quinta edição do D&D. Mas não temos uma grande profundidade mecânica para os outros dois pilares do sistema. A exploração e interação social são simplificados em possibilidades de resolução por testes de atributos, que são tratados no capitulo 7 do livro do jogador, (página 173), mas a mecânica é extremamente aberta ao DM. Por isso eu trago, neste artigo, uma ferramenta bem interessante !

DESAFIO DE PERÍCIAS (Do inglês: skill challenge)

Uma boa ferramenta que pode ser usada para sustentar esses dois outros pilares é o desafio de perícias, uma herança do D&D 4e (skill challenge), que é perfeitamente aplicado na quinta edição do D&D.

A proposta básica é você criar camadas de sucesso, por meio interações variadas para qualquer resolução de conflito complexo. Dessa forma o seu jogo não terá apenas um resultado binário (falha ou sucesso). Mas vários testes que devem ser superados, com pesos menores individualmente, que fazem parte de um desafio completo.

De uma forma geral, todo desafio pode ser acomodado em um estilo de resolução complexo, guiado pelas mecânicas do teste de atributo padrão do D&D5e, mas que serão interconectados. Veja essa tabela que criei para explorar o desafio:

DESAFIO*DCSIMPLESINTERMEDIARIOCOMPLEXOCÍRCULO DE MAGIA MÍNIMO PARA UM SUCESSO AUTOMÁTICO
FÁCIL103 Sucessos5  Sucessos8 SucessosNível 1
MODERADO123 Sucessos5  Sucessos8 SucessosNível 2
DIFÍCIL153 Sucessos5  Sucessos8 SucessosNível 3
MUITO DIFÍCIL183 Sucessos5  Sucessos8 SucessosNível 5
ÉPICO223  Sucessos5  Sucessos8 SucessosNível 6

* 3 Falhas significam uma falha completa.

Nessa modelo, qualquer desafio pode ser preparado nessas camadas, como uma negociação com assaltantes em uma estrada ou uma cena de ação como uma tempestade em alto mar.

O Dungeon Master deve definir as linhas cruzadas da tabela, para um desafio fácil e simples, são necessários 3 sucesso antes de 3 falhas, com a DC 10. Para um desafio difícil e complexo, são necessários 8 sucesso, de DC 15, antes de 3 falhas.

Cito um exemplo para ilustrar melhor:

Digamos que o grupo de personagens esteja fugindo de uma tribo hostil, numa região selvagem, e se depare com um rio caudaloso. Você, como DM, entende que ali é uma boa oportunidade para aplicar o desafio de atributos, que será de dificuldade fácil e complexidade simples, assim, 3 sucessos de DC 10, antes de 3 falhas. Caso falhem, a tribo hostil chegará até eles, e um combate se iniciará nas condições que eles se encontram após a terceira falha.

Apresente de forma clara a situação, do rio caudaloso, a tribo de Batiris no encalço do grupo, região selvagem fechada. A narrativa agora é todos jogadores.

Assim:

O primeiro jogador, que tem um anão guerreiro, anuncia.

Jogador 1: Eu (Gondur), que estou de armaduras leves, retiro minha mochila pesada das costas, segurando uma corda, e salto no rio em busca de amarrá-la ao outro lado

DM: Você tem certeza? É um rio caudaloso, cheio de pequenas cachoeiras, o próprio barulho da água dificulta comunicação.

Jogador 1: Sim, mas Bonfur é ousado, e a situação é perigosa, vou nessa.

DM: DM: Certo, nesse caso, faça um teste de força (atletismo), para avaliarmos, DC 10.

Jogador 1: Lança o dado, 2 +5 = 7, nossa, falhei

DM: Você começa a perder o controle do percurso, a água é muito forte, Bonfur está desorientado e começa a beber água ! Sofra um nível de exaustão, por enquanto. Uma falha no desafio, contra nenhum sucesso.

Jogdora 2: Calma, eu (Silvanna, druida), me transformo em uma lontra, e pulo atrás de Bonfur para auxiliá-lo nessa travessia.

DM: Certo, nesse caso, não precisa de teste, a lontra está em um habitat natural, faz sentido o sucesso. Um sucesso e uma falha no desafio.

Jogadora 2: Ótimo, Silvanna, na forma de lontra, morde o anão desorientado na água, que bate violentamente contra rochas próximas, antes de uma consequência mais grave, ela começa a conduzi-lo à margem.

Jogadores 1 e 2: Agora que  chegamos ao outro lado, queremos amarrar a corda.

DM: Calma, a travessia é lenta, e a tribo está aos gritos se aproximando, o que os outros fazem enquanto Bonfur, com suporte de Silvanna, lutam contra a correnteza, indo ao outro lado?

Jogadora 3: Eu Morganna, a maga, vou usar a magia floating disck como ritual, enquanto eles atravessam, para carregar os equipamentos do grupo

DM: Veja bem, os sons estão próximos, o ritual demora 10 minutos, vai mesmo arriscar?

Jogador 3: verdade, melhor não, uso a magia regular, sem ser na forma de ritual.

DM: Ótimo, como usou o floating disk, vou considerar um sucesso no desafio. Dois sucesso e uma falha.

Jogador 4: Beleza, enquanto eles amarram a corda do outro lado, Homar se amarra na outra ponta, e se agarra a Morganna, para tentarmos atravessar juntos.

Jogadore 1 e 2: Nem vamos amarrar, quando chegarmos ao outro lado, enrolamos essa corda em um pedregulho, e seguramos.

Jogadora 3: Morganna tem a mochila de Bonfur, sua própria e a de Homar no disco flutuante nesse tempo?

DM: Sim, tudo pronto, agora Homar, pode fazer um teste de atletismo com vantagem, se passar sucesso final.

Jogador 4: Lança os d20s; 8 e 15, +3 = 18 (sucesso!).

Jogadores: beleza, com Bonfur cansado, ainda meio zonzo, vendo Morganna e Homar atrvessando com nossos equipamentos, o que acontece?

DM: Vocês ouvem os gritos muito próximos, alguns batiris já surgem das matas, com lanças, e começam a estudar o grande rio que os cerca…

Jogadores: pegamos as coisas com urgência, e corremos mata a dentro.


Esse foi um exemplo de um cenário de desafio de atributos, com uso de habilidades como wild shape do druida ou magias. A partir desse modelo, você pode se inspirar para usar essa ferramenta quando julgar necessário, com o grau de dificuldade e complexidade de testes exigidos que julgar mais adequado.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O nosso XP aqui, é tentar instigar você a encontrar momentos interessantes de aplicar esse ferramenta como mais uma opção em mãos para seu jogo de RPG.

“Assim como toda poção de cura pode ser uma poção de veneno, toda poção de veneno pode ser uma poção de cura

Não abuse, e nem mecanize seu jogo por isso. Assim como combates demais podem tornar seus jogos pesados, o uso exagerado dessa ferramenta pode não ser legal. A dose certa vai variar de grupo para grupo, mas acredito que pode ser mais uma opção para usar em seu RPG, inclusive com grande facilidade para ser usada como improviso, com suporte dessa tabela.

Considero importante que não isso não simplifique o seu jogo em apenas gatilhos mecânicos, pois a própria narrativa vai estimular qual é a melhor forma de julgamento, e espero que essa opção possa incrementar ainda mais as possibilidade em sua mesa.

Caso queira acompanhar mais desse tipo de conteúdo, segue aqui minha árvore de links.

XP complementar:

  1. Vídeo “skill challenge“, link aqui.
  2. Vídeo “Player skill em D&D5e”, link aqui.
  3. Artigo “Player skill“, link aqui.
  4. Artigo “Narrativa emergente”, link aqui.

Até a próxima, e lembre-se:

TUDO É XP

 

Deixe uma resposta