Mundos Colidem – Até mais e obrigado pelos peixes!

Mundos Colidem

Há cinco anos atrás, o Mundos Colidem migrou da plataforma de blog para a plataforma de site, dando início a um maior envolvimento do coletivo em eventos, artigos de RPG e produções autorais.

Ao longo destes cinco anos o coletivo escreveu 497 artigos e criou 23 jogos, além de organizar eventos de RPG e participar de outros eventos culturais. Algumas pessoas chegaram a pensar que éramos uma editora, mesmo a gente sempre enfatizando que éramos apenas um grupo de RPGistas de Natal que decidiu montar um site pra colocar as produções que fazíamos pros nossos jogos de mesa.

Há cinco anos atrás, não tínhamos noção da dimensão que tudo isso tomaria. E estamos orgulhosos por esse trajeto. Vocês não têm noção do tamanho do orgulho por isso. Porém, hoje este trajeto chega ao fim.

Desde o início da pandemia, as coisas ficaram um pouco mais complicadas. E não me refiro somente ao desgaste da saúde mental pelo novo normal ou à atuação catastrófica do governo atual em relação à pandemia, mas os membros passaram por situações de desgaste emocional, contaminação de pessoas queridas e próximas por covid, falecimento de algumas delas e até a infecção pelo vírus.

E isso nos afetou bastante. A quantidade de artigos no site, que eram em média de três a cinco postagens por semana, caiu muito, a produção de materiais autorais também e alguns autores até pararam de postar enquanto estavam tentando sobreviver a toda essa situação. E isso não passou despercebido pela gente, mas antes de um coletivo, nós somos humanos e, acima de tudo, amigos.

A postura adotada no início da pandemia foi de que estava todo mundo de licença, quem conseguisse escrever algo o faria, mas estávamos deixando de lado a responsabilidade de postagem. Até porque este é o nosso hobby, a gente faz por amor. As pressões e demandas a gente deixava para os nossos trabalhos, nossas profissões — e este é um dos motivos pelo qual nunca nos tornamos editora ou grupo de atividade profissional envolvendo o RPG.

Porém, a situação se arrastou por tempo demasiado e mesmo que uma esperança tenha surgido no horizonte com o advento da vacina, nós estamos numa situação em que o sistema de saúde e óbitos estão em números elevados jamais obtidos antes. E, por isso, a gente se reuniu. E, por isso, nós conversamos. E, por isso, nós fomos sinceros em concluir que na situação atual não era possível continuar.

Devo acrescentar que em paralelo a essa questão há a financeira. Nós pagamos o servidor do Mundos Colidem de nossos bolsos. Não fazemos nenhum tipo de vaquinha ou financiamento coletivo, nem recebemos patrocínio ou doações. Nem queremos. Temos condições de pagar, embora com certa dificuldade pelo valor do dólar, e preferimos fazer por nós mesmos nos mantendo independentes.

Neste momento de pandemia, qualquer valor monetário faz uma grande diferença, principalmente para aqueles que têm filhos, cônjuges e/ou parentes em grupos de risco ou com doenças crônicas. No período normal podíamos nos dar ao luxo de pagar o valor do servidor. No período de pandemia, não. Mas, como mencionei acima, essa é uma questão paralela. Que corroborou com a decisão tomada, mas não foi a responsável.

O mais importante pra gente, neste momento, é a preservação da nossa saúde. Seja física, emocional ou mental. Quando as coisas melhorarem, quando nos recuperarmos das consequências dessa pandemia, quando juntarmos os nossos pedaços e avaliarmos como estamos… Talvez repensemos esta decisão. Até lá, só queremos agradecer.

Muito obrigado a todos que nos acompanharam nestes cinco anos. Obrigado pelos comentários, por compartilharem nossas postagens e por jogarem nossas produções. Muito obrigado por todo o carinho que vocês nos deram. Se temos orgulho dessa nossa trajetória, se ela valeu a pena a cada passo, mesmo nos momentos mais árduos, é graças a vocês. Portanto, até mais e obrigado pelos peixes!

Edit pro Informe solto no Facebook na tarde do dia 21/03/2021:

 

Olá. Pessoas Lindas, o Mundos Colidem não foi encerrado. Quem foi encerrado foi o site. O coletivo continua firme e forte: ainda temos nossas mesas de RPG pelo Roll 20 entre a gente nas quartas, sábados e domingos; ainda marcamos jogos na steam entre a gente; ainda abrimos canais de voz no Discord ou no Telegram pra bater papo sobre o dia; ainda manteremos o grupo do Telegram, a página do Face, a página do Insta, o Twitter e, principalmente, as páginas do Dungeonist e do Drivethru RPG com nossas produções autorais.

Sobre o conteúdo do site, vocês ainda têm alguns meses com ele disponível no domínio oficial da gente (que manteremos pra evitar confusões futuras, sacomé, né?). Após o encerramento do contrato com o servidor, o que só deve ocorrer no meio do segundo semestre, aí encontraremos alguma alternativa, nem que seja migrar o conteúdo pro nosso antigo blog gratuito no WordPress.

E, se, quando, algum membro decidir fazer alguma produção autoral, no seu próprio ritmo e tempo, ainda lançaremos ele no Dungeonist e no Drivethru RPG e anunciaremos no grupo do Telegram, na página do Face e na página do Insta. Simples assim. O coletivo continua, o site é que não. Dito isso, desejo um excelente domingo a todos. E, se puderem, fiquem em casa. Bonanças.

“Você encontra a Aventura

Ou a Aventura encontra Você”.

Hiato Julino e Minijogo “Vamos ao Supermercado?”

Olá. Julho chegou! E, com ele, o nosso hiato de meio de ano para as merecidas férias julinas. O site do Mundos Colidem estará em hiato de postagens até o dia 02 de agosto, uma segunda feira, quando retornaremos às atividades!

De praxis, deixo aqui o nosso explícito agradecimento a todos que nos acompanham! Pelos acessos, apoios, comentários, compartilhamentos e uso dos nossos conteúdos! Muito obrigado mesmo!

Por fim, se puderem, fiquem em casa. Usem máscaras, mantenha distância de um quadrado (1,5m) das pessoas – sem engajar –, caprichem no álcool em gel e na lavagem de mãos, evitem aglomerações e mantenham as jogatinas de RPG por plataformas virtuais, como o Roll 20. Aqui fica uma proposta de minijogo, o mais recente de Raphael Lima, para momentos como os atuais. Ele está a Pague o Quanto Quiser no Dungeonist:

“Vamos ao supermercado?” é um minijogo em tempos de pandemia sobre esperança e a busca por suprimentos. A personagem está de quarentena, mas precisa sair para conseguir suprimentos para sua família e pode ser infectada em sua busca. É um jogo sobre a jornada de sobrevivência diária e suas interações sociais. Esse jogo foi feito para ser jogado por duas pessoas em isolamento social, mas funciona também para um grupo, usando recursos virtuais ou no modo solo, usando um oráculo.

Vamos ao Supermercado?

Espero que aproveitem!

Bonanças.

Atenciosamente,

Leishmaniose

Cortex: Marvel Heroic Roleplaying

Olá a todos os que ainda insistem em procurar alguma novidade sobre esta coluna — suas preces foram atendidas! Como diria o amigo Raphael Lima, as quests e sub-quests da vida me impedem de postar com qualquer forma de frequência e eu acabo focando apenas no trabalho de editoria do site e de diagramação dos nossos minijogos. Mas hoje eu resolvi quebrar o jejum, atualizando um post da versão original do Mundos Colidem, sobre um dos meus sistemas favoritos, cuja nova versão acaba de sair no Kickstarter: Cortex.

Mini Ficha para D&D quinta edição

Oi, gente! Normalmente, eu não sou o cara que traz novidades de D&D, mas atendendo a pedidos, fiz a tradução e adaptação (com a consultoria do sempre operoso Leishmaniose) da Mini Ficha de Dungeons & Dragons Quinta Edição para português, no formato A5 (ou seja, duas fichas por folha de papel A4).

Aliás, foi o próprio Leishmaniose quem encontrou ficha original (em inglês), mas não encontrou o nome de seu criador. Então, se alguém o conhecer, por caridade avise, para que ele possa perguntar sobre uma versão personalizada para magias (hehehe)…

Espero que gostem.

Ficha Dungeons & Dragons

Os Jardins Suspensos do Cyberpunk

Olá, galerinha!

Há muito tempo eu não aparecia por aqui (acho que tinha gente que já lamentava minha morte), mas como pude me desafogar um pouco das quests e sub-quests da vida (como diria o bom amigo Raphael Lima), resolvi falar um pouco (bem pouco) sobre o meu minijogo cyberpunk, Jardins de Neon, e seu primeiro suplemento, Regras de Boa Vizinhança, que estará disponível para compra em breve do Drivethru RPG e Dungeonist (você também pode baixá-los gratuitamente, claro.)

Shadow of the Demon Lord – Ficha de Personagem Alternativa

Olá, leitores! Hoje dei só uma passadinha para deixar uma ficha para o Shadow of the Demon Lord (que vocês encontram uma resenha feita pelo Tio Lipe aqui), feita por Tom Robinson, do grupos Disciples of the Demon Lord Creative Community, originalmente disponível no DrivethruRPG e que agora vocês encontram nesta versão traduzida para português em A4, no modo paisagem (horizontal), com um total de quatro páginas, para permitir o máximo de detalhes para o seu personagem.

Ficha formato A4 para Shadow of the Demon Lord

Star Trek para Fate Acelerado

Eis-me aqui de volta à Encruzilhada dos Mundos, desta vez com a adaptação de uma das minhas séries de TV e cinema favoritas, Star Trek, para um de meus sistemas favoritos de RPG, Fate Acelerado. Acompanha fichas de personagens e naves estelares, audaciosamente indo onde RPGista nenhum jamais esteve!

OK, esta última parte não é bem verdade. Muita gente já narrou e jogou em Star Trek

Armas Envenenadas para FAE Senhor dos Anéis

Olá, faz algum tempo que eu não escrevia nesta coluna, atarefado com as inúmeras quests (como diria o amigo Raphael Lima) da vida. Mas arrumei um momento para escrever algo que ele tinha vontade de emular em sua adaptação de Senhor dos Anéis para Fate Acelerado: Armas Envenenadas (e por consequência, venenos).

Heróis Blindados: ficha de personagem

E sem mais delongas, aqui está a ficha de personagem para mecha, seguindo o conteúdo do meu último post. Aproveitem.

Heróis Blindados: Armaduras de Combate para Fate Acelerado

Ainda garoto — quando minha paixão por ficção científica estava se estabelecendo — eu li, pela primeira vez Starship Troopers, o clássico da FC de Robert Heinlein sobre uma sociedade futura extremamente militarizada, tentando sobreviver ao confronto com os Bugs (ou insetos), um conglomerado de raças (uma delas humanóide) com tecnologia similar à humana, exceto por uma coisa: Mecha. Esta foi a primeira menção (conhecida, pelo menos) deste tipo de tecnologia na ficção científica. O autor, que criou o conceito em 1959, provavelmente não tinha ideia que estaria trazendo à vida um gênero próprio que seria muito comum aos animes e mangás e que espalhou-se por RPGs, boardgames, quadrinhos, desenhos animados, filmes e claro, brinquedos.