À Beira do Abismo

Olá leitoras e leitores!

Meu nome é Rosamante e estou trazendo mais um relato dos meus estudos ocultos pra vocês.

Nesta coluna de hoje, eu irei expor um tema diferente dos terrores dos mortos inquietos que estávamos explorando nas últimas postagens. Desta vez, nós estudaremos os horrores cósmicos de nossa realidade, entidades que nunca foram humanas e que não estão particularmente preocupadas com os pormenores da existência humana.

Para explicar melhor para vocês, irei utilizar a cosmologia apresentada no jogo de Mago: o Despertar, um dos vários jogos que compõem o cenário das Crônicas das Trevas.

Segundo o que nos é explicado nesse jogo, a realidade é composta por duas dimensões: as Dimensões Supernas e o Mundo Decaído.

O Mundo Decaído é o que todos nós habitamos e conhecemos. O chão que pisamos, o ar que respiramos, o planeta terra, o universo, as leis das ciências naturais, as descobertas da humanidade, a própria humanidade, a noção de tempo e espaço, tudo que conhecemos e que existe compõe o Mundo Decaído.

O sobrenatural que existe oculto e escondido de nós, como fantasmas, vampiros, lobisomens e etc. também fazem parte do Mundo Decaído. Da mesma forma, as dimensões estranhas onde habitam estas criaturas, como o Submundo, também são parte do Mundo Decaído chamadas de Dimensões Invisíveis.

As Dimensões Supernas, por sua vez, são os planos superiores de existência dos quais, supostamente, advém toda a magia do cosmos.

Elas são inteiramente formadas por Símbolos Supernos que interagem entre si formando padrões que ditam as regras da realidade, agindo como um código-fonte para tudo que existe no universo.

Repare que eu utilizei o termo “plano de existência” para descrever as Dimensões Supernas ao invés de “mundo”. O motivo disso é que as Dimensões Supernas não são exatamente um local, elas são planos que existem sobrepostos ao Mundo Decaído, nos rodeando na mesma medida em que descrevem tudo que existe.

Mas se as Dimensões Supernas existem sobrepostas ao Mundo Decaído, por que nós não podemos vê-las nem interagir com elas? Bom, existem dois motivos para isso: a Mentira e o Abismo.

O primeiro mantém a humanidade cega e o Superno escondido e o segundo corrompe os Símbolos que formam a realidade para formar inverdades, paradoxos que se manifestam no Mundo Decaído formando realidades distorcidas e aterrorizantes.

Hoje, nós olharemos para dentro do Abismo.

O Abismo

Entre as Dimensões Supernas e o Mundo Decaído, existe o Abismo interagindo com ambos.

Os Símbolos das Dimensões Supernas descrevem tudo que existe e tudo que pode existir, e o Mundo Decaído, por sua vez, aplica e dá forma às Verdades descritas por estes Símbolos.

Quando o Abismo interage com estes Símbolos, ele não cria Verdades no Mundo Decaído. Ao invés disso, ele corrompe o Superno e forma Anti-Símbolos que descrevem fenômenos que simplesmente não poderiam ou não deveriam existir, criando Paradoxos que se manifestam na realidade.

Isso demonstra que o Abismo não é um vazio ou uma mera dimensão onde nada existe, desprovida de sentido Superno. Na verdade o Abismo é uma dimensão própria, habitada por Entidades nativas que povoam universos enlouquecidos e natimortos.

Mais que isso, o Abismo é uma dimensão dotada de uma natureza única de corrupção tão intensa que é capaz de distorcer a própria ideia de Sentido e criar aberrações cósmicas no Mundo Decaído.

No entanto, a despeito de todo o seu poder, o Abismo raramente age como um força ativa buscando Verdades Supernas para corromper – ao contrário, há um aspecto consideravelmente reativo em seu comportamento típico.

Normalmente, o Abismo só manifesta seus Paradoxos no Mundo Decaído através de atos que desafiam a Mentira, de tentativas de reordenar os Símbolos Supernos para criar Verdades que fogem às regras e limites impostos artificialmente pela Mentira.

Magos, sendo as únicas pessoas na Mentira que são capazes de praticar estes atos e de reordenar o Simbolismo Superno por meio de magia, frequentemente são os culpados por acidentalmente (ou não) trazer o Abismo para o Mundo Decaído.

Sempre que Magos praticam sua magia de forma irresponsável, canalizando mais poder do Superno do que eles podem lidar de forma segura e controlada, eles correm o risco do Abismo corromper os seus feitiços e se apropriar da Verdade que eles estavam tentando construir, criando um Paradoxo.

Entretanto, o fato do comportamento típico do Abismo ser reativo não quer dizer que ele nunca se insinua para o Mundo Decaído de forma “natural”. Mas mesmo nestes casos, o Abismo não pode simplesmente se manifestar no Mundo Decaído, se este fosse o caso, ele já teria devorado a realidade inteira.

Para conseguir infectar o Mundo Decaído, o Abismo continua vinculado à sua essência de corrupção e depende de fenômenos específicos que evoquem seus Anti-Símbolos para infectar a realidade como um vírus, um intruso parasítico.

Estes fenômenos geralmente irão evocar uma traição, distorção, corrupção ou talvez um abandono do sentido original de algo. Por exemplo, o ato de modificar um cálculo com o objetivo de obter um benefício indevido, desvirtuando o sentido original do cálculo, pode servir como o catalisador para a intrusão de Anumerus no Mundo Decaído dependendo da gravidade da distorção.

Uma Intrusão Abissal no Mundo Decaído é um evento particularmente problemático pois além da destruição e caos que causam por natureza, elas também tendem a ser discretas e sutis no início, quando estão menos estabelecidas e mais vulneráveis, agindo de forma calculada e eficiente para evitar detecção.

A medida que o Intruso cresce em poder e se estabelece mais firmemente no Mundo Decaído, torna-se mais e mais difícil bani-lo de volta ao Abismo sem consequências graves para aqueles que foram afetados pela Intrusão.

Tendo em vista também que os comportamentos que convidam estas entidades para o Mundo Decaído em regra são comportamentos corruptos, desesperados ou vergonhosos, é natural que aqueles que os cometem façam o possível para escondê-los. Assim, mesmo que um Mago saiba de qual forma uma Intrusão específica pode ocorrer, ele pode não perceber que esta condição já foi satisfeita e a Intrusão já começou, até ser tarde demais.

Complicando ainda mais a problemática de uma Intrusão Abissal está o fato de que Magos são uma das únicas criaturas que habitam o Mundo Decaído que possuem a capacidade de reconhecer e lidar de forma especializada com uma Intrusão Abissal, e simplesmente não existem Despertos o suficiente no mundo para lidar com cada Intrusão em potencial.

E mesmo que houvessem vastas populações de Magos no mundo, os Despertos são limitados no que eles podem fazer em relação a uma Entidade do Abismo. Nenhuma magia que seja canalizada através do Mundo Decaído surte qualquer efeito nos Intrusos do Abissais, e considerando que Magos são produtos do Mundo Decaído capazes de canalizar o Superno, seus feitiços não podem afetar uma Entidade Abissal.

Ao invés disso para afetar o Abismo com magia, os Despertos dependem de formas anciãs e raras de magia que não advenham do Mundo Decaído como Artefatos – relíquias forjadas diretamente das Dimensões Supernas capazes de praticar magia por si mesmas – ou invocações de Entidades das Dimensões Supernas. Mas nenhuma destas soluções é completamente eficiente ou segura, acarretando inclusive o risco de tornar a Intrusão Abissal ainda pior.

A boa notícia é que toda Intrusão Abissal possui fraquezas específicas que podem ser exploradas para enfraquecê-la. Além disso, da mesma forma que a Entidade possui uma forma específica de adentrar no Mundo Decaído, também haverá uma forma específica de bani-la.

Um Mago que consiga descobrir esta forma de Banimento pode usar sua magia não para afetar diretamente a Intrusão Abissal, mas para manipular o Mundo Decaído a seu favor, criando as circunstâncias necessárias para expulsar o Intruso de volta para o Abismo.

Muito embora esta seja a forma mais segura e eficiente de lidar com estas criaturas paradoxais, muitas vezes pode ser tarde demais para adotar esta estratégia, e o caos causado pela Intrusão pode pesar mais que os riscos de usar feitiçarias antigas e imprevisíveis, criando um dilema que a maioria dos Despertos espera nunca ter que responder.

O Alter Ego

Dentre as Intrusões Abissais mais famosas em meio aos Despertos, Alter Ego é uma das mais notórias, havendo diversos registros de sua existência.

Por mais famosa que seja, pelo fato de não causar, em de regra, grandes problemas para coletividades, nem causar destruição em larga escala, a maioria das suas Intrusões acabam passando despercebidas pelos Magos. Mas para aqueles que servem como meio de passagem para ela, a experiência é profundamente traumatizante.

Teoriza-se que Alter Ego existe para corromper o símbolo de Identidade, fortalecendo-se na medida em que distorce o senso de personalidade de quem ele infecta, gradativamente tomando da sua vítima, a titularidade de sua própria personalidade até usurpá-la por completo.

Esta teoria é a mais popular pelo dato da sua Intrusão depender de uma traição da sua Identidade com o fim de ocultar ou obter algo. A pessoa que cria uma identidade alternativa com plena compreensão que aquela identidade não é real e não se confunde com a sua original, mas a utiliza mesmo assim para conseguir ou esconder algo, atrai a atenção de Alter Ego.

Uma mulher que cria uma persona para esconder sua identidade verdadeira num site de streaming onde faz performances eróticas ao vivo; uma atriz que começa a agir como seu personagem por longos períodos de tempo para alcançar uma imersão completa no dia da apresentação da sua peça; um homem assume uma persona de dominador para satisfazer o marido numa fantasia sexual.

A mera criação de uma identidade falsa com o objetivo de obter ou esconder alguma coisa, contudo, não tem o potencial necessário para permitir que Alter Ego se manifeste no Mundo Decaído.

O catalisador para a sua intrusão é o momento em que o seu meio de passagem se torna tão confortável na pele do personagem que incorpora, que ele começa a usar a sua persona sem objetivo algum. O papel que a pessoa anteriormente assumia para cumprir uma função ou objetivo, passa a lhe proporcionar uma espécie de satisfação apenas pela sensação de estar incorporando outra pessoa.

A camgirl age como a sua persona online sempre que se sente insegura, mesmo fora da internet; a atriz continua agindo como a sua personagem semanas após a apresentação da sua peça; o dominador adota esta persona para se encontrar com outros homens pelas costas do marido.

Quando isso ocorre, Alter Ego consegue se manifestar no Mundo Decaído, assumindo uma forma efêmera no Crepúsculo, com a pessoa que agiu como seu meio de passagem sob a condição de Ressonante.

Esta forma efêmera, inicialmente, é uma imagem distorcida, abominável e pesadelar da persona que o atraiu pro Mundo Decaído. Neste estágio, Alter Ego é uma representação quebrada e aterrorizante da falsa identidade que serviu como meio de passagem para o Mundo Decaído. Além disso, o início da sua intrusão é o momento que o Alter Ego está mais fraco e ainda não entende muito bem a natureza da falsa identidade da sua vítima, não sabendo como replicá-la perfeitamente.

Por estas razões, após se manifestar, Alter Ego inicia sua Intrusão sutilmente, com pequenos episódios em que a Entidade age como se fosse a identidade falsa da pessoa que o atraiu, mas de forma discreta, com a vítima interpretando estes episódios como meras distrações.

A camgirl não lembrava de ter conversado no seu chat privado com um usuário; a atriz não lembrava de ter sublinhado as falas de um personagem num livro; o dominador não lembrava de ter comprado uma máscara de látex em formato da cabeça de um cachorro.

Estes episódios por mais insignificantes que possam parecer, representam o Alter Ego tomando para si os Elos Simpáticos mais fracos relacionados come a personalidade falsa da sua vítima (conhecidos, colegas de trabalho, itens substituíveis, etc.). A cada Elo que o Alter Ego consome, mais potente e mais forte ele se torna, e sua forma efêmera começa a se aproximar da imagem da personalidade falsa, na medida em que ele começa a compreendê-la mais intimamente.

É apenas quando o Alter Ego começa a roubar os Elos Simpáticos Médios (amigos, irmãos, amantes, itens de importância emocional como medalhas, diplomas, alianças, etc.) relacionados com a identidade alternativa da sua vítima, que ela percebe que algo errado está acontecendo. Neste nível da Intrusão, a Entidade começa a se comunicar com outras pessoas como se fosse a identidade falsa da sua vítima, muito embora, ainda não se comunique diretamente com a própria vítima.

A camgirl sai para um encontro com um dos fãs mais antigos dos seus vídeos, e ele não a reconhece; a atriz assiste horrorizada um vídeo dela mesma agindo como se fosse a sua personagem num café que ela costuma frequentar diariamente; um dos amantes do dominador posta um vídeo na internet de uma sessão de BDSM entre os dois, muito embora o Dominador nunca tenha gravado nenhuma das suas sessões.

Finalmente, no estágio final da Intrusão, o Alter Ego consome os Elos Simpáticos Fortes (cônjuges de longos casamentos, melhores amigos, pai, mãe, filhos, etc.) relacionados à identidade falsa do seu alvo, caso a falsa identidade os tenha. Após isso, a Entidade se torna sua versão mais forte e compreendendo em detalhes a personalidade falsa da sua vítima. Sua forma efêmera se torna uma réplica perfeita da persona, e, o Alter Ego passa a se comunicar e interagir fisicamente com a sua vítima.

Se a Intrusão não for banida neste estágio, o Alter Ego irá tentar convencer a vítima a entregá-lo o seu Nome Simpático – a sua identidade verdadeira. Para isso, o Alter Ego não recorre a torturas físicas, preferindo atormentar sua vítima emocionalmente e mentalmente. A Entidade não tem prazer ou satisfação alguma nisso, utilizando esses métodos apenas para convencer a vítima a entregar o seu nome a ele.

Quando a vítima eventualmente cede, e entrega o seu Nome Simpático ao Alter Ego, a Intrusão se completa, e a Entidade toma todos os Elos Simpáticos da identidade original e da identidade falsa da sua vítima para si.

Quando isso acontece, o Alter Ego cria uma amálgama contraditória das duas identidades, contaminando os elos simpáticos com a essência Abismo. O resultado é uma terceira identidade em que o Alter Ego assumiu ambas as personas da vítima, corrompendo por completo o conceito da sua identidade e criando um complexo de relações impossíveis e contraditórias que se misturam ao redor do Alter Ego.

A vítima, por sua vez, destituída de todos seus Elos Simpáticos passa a existir como uma espécie de fantasma, num mundo em que nada nem ninguém a reconhece mais, nem mesmo ela sabe quem ela é. A maioria enlouquece ou comete suicídio após isso, apenas os mais determinados resistem e tentam refazer a sua vida e sua identidade do zero.

Apesar de parecer impossível conter a progressão da Intrusão, o Alter Ego possui uma fraqueza específica: se a vítima destruir uma representação da identidade falsa que o Alter Ego está tentando se apropriar, ele será forçado a se materializar diante da vítima por uma cena, e não poderá usar seus Numes Abissais nem Influencias contra ela.

Embora nada impeça o Alter Ego de realizar ações comuns contra a vítima, ele dificilmente atacaria ou feriria a sua vítima gravemente, tendo em vista que ele pretende tomar o Nome Simpático dela eventualmente e ele não poderia fazer isso com a vítima morta.

Ao se deparar com o Alter Ego, a vítima tem uma chance de bani-lo de volta ao Abismo. A vítima e o Alter Ego manifesto devem estar lado a lado, diante das pessoas que representem os Elos Simpáticos roubados mais fortes dentre os roubados pelo Alter Ego.

A vítima deve então expor o Alter Ego pelo impostor que ele é, e convencer as pessoas que ela é a verdadeira (o que é mais fácil de se fazer se o Alter Ego ainda estiver no início da sua Intrusão e não tiver uma semelhança física perfeita da sua vítima nem souber exatamente como replicar os maneirismos da identidade falsa).

Se for bem-sucedida, a vítima recupera seus Elos Simpáticos roubados e o Alter Ego é banido de volta ao Abismo. Utilize os seguintes dados caso você precise rolar dados para ele:

Alter Ego

Posto: 2

Poder: 2

Refinamento: 5

Resistência: 2

Força de Vontade: 7

Deslocamento: 8

Corpus: 7

Iniciativa: 4

Defesa: 2

Interdição: Se a vítima destruir uma representação da identidade falsa que o Alter Ego está tentando se apropriar, ele será forçado a se materializar diante da vítima por uma cena, e não poderá usar seus Numes Abissais nem Influencias contra ela.

Influência: Identidade 2

Manifestações: Forma Crepuscular, Materializar

Numes Abissais

Devorador de Simpatia: O Alter Ego existe para corromper Identidade e quanto mais ele se apropria de aspectos individuais de uma identidade, mais forte ele se torna. Pague um ponto de essência e jogue um teste de Poder + Refinamento contestado pelo Autocontrole da vítima + Força da Conexão do Elo Simpático (1 para Elos Fracos, 2 para Elos Médios, 3 para Elos Fortes). Se for bem-sucedido, o Alter Ego rouba o Elo Simpático para si, passando a ser reconhecido como se fosse o verdadeiro detentor do Elo. Por um ponto de Força de Vontade, o Alter Ego pode usar a força do Elo para aumentar um dos seus Atributos em 1 para cada Elo roubado, não podendo ultrapassar o limite de 7 imposto pelo seu Posto 2. O Alter Ego pode usar Elos Fortes para aumentar seu Posto e estender o limite máximo dos seus atributos.

Impostor: Por um ponto de Essência, o Alter Ego pode assumir a forma idêntica à da falsa identidade da sua vítima, mesmo que o seu Corpus ainda não esteja replicando perfeitamente a aparência dela. A ilusão dura por um número de horas igual aos sucessos obtidos.

Ladrão de Nome: Este Nume Abissal só pode ser utilizado se o Alter Ego houver se apropriado dos Elos Simpáticos mais fortes da personalidade falsa do seu alvo, e, se o alvo concordar com a proposta, não importando se tiver sido coagido ou não. O Alter Ego investe um ponto de Força de Vontade e rouba o Nome Simpático do alvo, apropriando-se de todos os Elos Simpáticos dele. Sua Influência sobre Identidades sobe em cinco níveis automaticamente por uma cena, independentemente do Posto que o Alter Ego se encontra no momento. Nesta cena, o Alter Ego provavelmente utiliza seu poder sobre identidades para formar a amálgama enlouquecida e contraditória de relações das duas identidades que ele consumiu.

Destruidor de Autoestima: O Alter Ego despedaça a autoconfiança e autoestima da sua vítima, deixando-a vulnerável e enfraquecida. Pague um ponto de Essência, e jogue um teste de Poder + Refinamento contestado pelo Autocontrole + Perseverança da vítima. Se for bem-sucedido, a vítima sofre os efeitos da Condição de Quebrado, sofrendo uma penalidade de -2 pontos em qualquer Teste Social, ou que envolvam o Atributo de Perseverança, e -5 em testes utilizando a Habilidade de Intimidação.

Conclusão

Concluímos assim, mais um Dado Esqueleto meus caros leitores e leitoras. Torço que eu tenha despertado o interesse de vocês pelos terrores cósmicos enfrentados pelos Magos.

Na próxima coluna nós continuaremos com o tema de horror cósmico, mas ao invés do Abismo, nós iremos explorar inimigos cósmicos mais assustadores ainda (pelo menos na minha concepção), responsáveis pela Mentira e por grande parte da miséria do Mundo Decaído: Os Exarcas e seus Profetas do Trono.

Até lá, longos dias e belas noites queridos leitores!

Deixe uma resposta